Artrose: Saiba como prevenir ou tratar sem cirurgia

A artrose ou osteoartrite é a principal forma de artrite e uma das principais causas de dor e incapacidade no mundo. 

Em pacientes acima dos 50 anos, 60% apresentam algum grau de desgaste articular, já os acima dos 60, quase 30% já tem algum grau de artrose. Apesar de não causar morte, a doença está relacionada indiretamente com o aumento de mortalidade e diminuição de qualidade de vida, por causa das suas complicações. 

Neste artigo, vou explicar como prevenir a artrose, continuar ativo e evitar a necessidade de uma cirurgia, como uma prótese no joelho ou outras articulações. Leia mais!

As duas imagens abaixo apresentam raio X do joelho de dois pacientes com uma idade muito parecida, entre 65 e 70 anos, mas por que uma continua com um joelho novo e a segunda está desgastado pela artrose? É isso que vamos descobrir!

Além disso, existem pacientes como o Frederico Fischer, que consegue correr uma maratona com quase 100 anos de idade.  

 O que é a artrose?

Antes de falarmos sobre cada pilar na prevenção e tratamento conservador da artrose, é preciso explicar como a doença se desenvolve no corpo. 

A artrose, conhecida como osteoartrose ou osteoartrite, é uma doença onde ocorre o desgaste da articulação como um todo. O tecido mais afetado é a própria cartilagem, mas também pode acontecer o desgaste de meniscos, ligamentos e o próprio osso em volta dela. 

Porém, acontece também uma inflamação, afetando principalmente o tecido sinovial, responsável pela produção do líquido presente na articulação. Nestes casos, os tendões e bursas que ficam em volta da articulação também podem ser prejudicadas, resultando em tendinites e bursites. 

Mas o que leva a esta inflamação?

Um dos principais fatores causa a inflamação é uma reação do próprio organismo contra pequenos fragmentos de cartilagem gasta que ficam soltos dentro do líquido sinovial.

Algumas células do nosso sistema imunológico que estão dentro do joelho, entendem que isso é um corpo estranho e, em seguida, começam a produzir substâncias inflamatórias e radicais livres, que geram mais dor e desgaste da articulação. 

Sendo assim, é necessário entender que, para a prevenção e tratamento da artrose sem cirurgia, é preciso controlar o atrito e desgaste mecânico, além da inflamação na articulação. 

Quais são os principais sintomas da artrose?

O principal sintoma da artrose é a dor na articulação. Em alguns casos, os pacientes optam por uma intervenção cirúrgica para tentar tratar este sintoma. Caso contrário, mesmo que o paciente tenha desgaste, mas não apresente dores, a cirurgia acaba não sendo a principal opção. 

Mas, além das dores da articulação, os outros sintomas da artrose incluem:

  • Inchaço;
  • Rigidez articular;
  • Sensibilidade e ouvir barulhos, como estalos e rangidos.  

Contudo, existe um fator genético para a artrose. Assim, algumas famílias podem apresentar mais tendência a desenvolver artrose do que outras.  

Mas como é possível prevenir a artrose, afinal?

Quando se trata da artrose ocasionada por fatores genéticos, nós não temos muita opção para evitar e mudar a condição, isso é fato. No entanto, existem alguns cuidados que o paciente pode ter para evitar o desenvolvimento por outros fatores de risco, como:

Cuidados com a alimentação

Muito se fala da alimentação anti-inflamatória, inflamatória ou alimentos que podem piorar ou melhorar a artrose. Mas, é preciso entender que a medicina não é uma ciência de verdades absolutas e fixas, ela está em constante evolução.

Sendo assim, quando se trata da relação entre alimentação e artrose, a qualidade das evidências científicas que sustentam os efeitos de certos alimentos é geralmente baixa ou moderada. Portanto, é necessário aplicar senso crítico ao interpretar as informações disponíveis e manter-se constantemente atualizado com as últimas pesquisas.

Atualmente sabe-se que uma quantidade alta de frutose presente no açúcar refinado, excesso de gordura saturada, gordura trans e excesso de ferro tem um efeito direto e indireto na inflamação no organismo. 

Alimentos anti-inflamatórios

O azeite de oliva, o ômega-3 presente nos peixes de água fria, vitaminas e fibras contidas nos vegetais têm efeito anti-inflamatório e antirradical livre. 

Alimentos para evitar

Precisa-se evitar alimentos processados, industrializados e sempre que possível ter uma dieta equilibrada, com proteínas, verduras, legumes, frutas e sementes etc. 

Uma observação muito importante sobre o tecido adiposo, ou seja, a gordura do nosso corpo, é que ele produz várias substâncias inflamatórias que, além do excesso de peso, sobrecarregam a articulação, pioram a inflamação e desgaste da artrose.

Por isso, o ideal é não exagerar na alimentação e manter o peso no limite. Além disso, as proteínas são os “tijolos” na formação da maior parte dos tecidos do nosso corpo, incluindo os ossos, tendões, músculos e cartilagem. Assim, o consumo de proteína é ideal, inclusive para a articulação. 

Quanto deve ser consumido de proteína por dia?

Geralmente, o consumo recomendado está entre 1,5g de proteína por dia por quilo de peso corporal. É preciso ter atenção para a carne, pois ela não é 100% proteína, contém gordura, água e outras coisas, sendo que apenas 20% da carne crua é proteína, por isso, é preciso calcular corretamente os alimentos ingeridos.

Vale ressaltar que, com o passar dos anos, nosso corpo absorve mais lentamente. Assim como a gordura produz inflamação no corpo, os músculos produzem várias substâncias anti-inflamatórias, chamadas miocinas.  

Porém, para os músculos produzirem as miocinas, precisa-se estimular com exercícios.

Exercícios físicos e artrose

É consenso entre diversas diretrizes médicas mundiais que as estratégias com maior evidência científica para prevenir a artrose, especialmente no joelho, são o aumento da massa muscular e a perda de gordura.

Entretanto, é importante entender também que nem todos os exercícios são benéficos para as articulações, alguns podem ser excelentes enquanto outros não. Além disso, muitas vezes a eficácia de um exercício depende menos do tipo de atividade e mais da maneira como é executada.

Realizar exercícios de impacto de maneira adequada pode diminuir a pressão sobre os joelhos e a coluna, evitando os riscos associados à execução incorreta do fortalecimento dessas áreas.

Essa observação é frequente em minha prática clínica, onde vejo pacientes com menos de 30 anos apresentando condropatia, que é o desgaste da cartilagem, em estágios avançados (grau 3 ou 4) no joelho. Curiosamente, isso ocorre até mesmo em pacientes magros que praticam exercícios. 

Por que atividades físicas são indicadas para o corpo? 

Durante a evolução o ser humano foi sempre muito ativo. Se for pensar em uma escala de tempo, há poucos mil anos, ele aprendeu a plantar e domesticar os animais, e com isso ficou mais fixo em um único lugar. 

Mesmo assim, o trabalho para manter as coisas exigia muito esforço, quem trabalha no campo, na raça, sem máquinas sabe que o trabalho que é cuidar de uma lavoura ou um rebanho. Certo?

O fato é: nosso corpo foi feito para ficar em movimento. Com os exercícios, nossos músculos produzem substâncias analgésicas, anti-inflamatórias e que regulam nosso corpo de diversas formas, como as miocinas e as endorfinas. Além disso, eles ajudam a diminuir a gordura corporal.

Portanto, os exercícios ajudam a proteger todo o nosso corpo contra o envelhecimento, incluindo o coração, cérebro e articulações. 

Qual a frequência ideal de exercícios físicos?

Para manter uma saúde adequada é preciso fazer em torno de 1h de exercícios leves, como a caminhada, de 5 a 7 vezes por semana. Também pode-se fazer por volta de 30 minutos de exercícios intensos, 3 vezes por semana. 

Para criar uma rotina boa de exercícios, em primeiro lugar, é ideal identificar atividades que você aprecia e pode imaginar fazendo pelo resto da vida, pois escolher algo que detesta pode não trazer retorno e, com o desinteresse, resultar no abandono dessa atividade.

Os exercícios físicos afetam a cartilagem?

É importante compreender que a cartilagem não possui vasos sanguíneos para transportar oxigênio e nutrientes às células. Na realidade, ela funciona mais como uma esponja de alta densidade, absorvendo o que precisa de maneira indireta.

Quando exercemos pressão sobre a articulação, o líquido sinovial é expelido e, ao aliviar a pressão, ele retorna, trazendo consigo nutrientes essenciais. Por isso, o movimento é vital para manter a cartilagem saudável, pois facilita a troca de nutrientes.

Então, caso haja dúvida se o movimento excessivo pode acelerar o desgaste da cartilagem, a resposta é: Depende. O tipo de exercício e a execução são determinantes para definir isso.

As articulações são como as engrenagens de uma máquina: sem movimento, podem secar e enferrujar, mas os movimentos inadequados ou excessivos podem acelerar o desgaste.

Quais os exercícios mais indicados para pacientes com artrose?

Os exercícios que são mais benéficos para a articulação são os resistidos sem impacto, como:

  • Musculação;
  • Pilates;
  • Funcionais;
  • Aeróbicos sem impacto como a bicicleta, natação e hidroginástica. 

Já os exercícios com impacto indicados são:

  • Caminhada;
  • Corrida;
  • Futebol;
  • Basquete;
  • Vôlei.

É possível observar e há comprovação em artigos científicos que o preparo físico e muscular e a execução dos movimentos é tão importante quanto a atividade executada.

A exemplo da musculação, que teoricamente é o melhor exercício isoladamente. Se você fizer errado um levantamento terra ou agachamento inclinando a lombar, você pode estar aumentando quase 10 vezes a sobrecarga no disco intervertebral.

Se o exercício for executado corretamente e a sobrecarga for baixa, ele pode trazer muitos benefícios e até aumentar a produção de hormônios.

O valgo dinâmico, que é quando o paciente joga o joelho para dentro ao fazer agachamentos, também é um erro de execução que afeta o joelho, o quadril e a lombar, porque todas ficam inclinadas, com movimento fora do eixo da articulação, aumentando muito a pressão e acelerando o desgaste. 

Isso vale tanto para quem faz musculação, quanto para quem corre e faz caminhadas. Então se você fizer uma corrida, mas tiver um bom alinhamento, sem valgo dinâmico, estiver magro e com músculo, provavelmente vai conseguir correr até perto dos 100 anos, como o Frederico Fischer. 

Nas imagens abaixo, é possível perceber o alinhamento das pernas. O primeiro, o alinhamento certo, e o segundo o errado.

Combinar movimentos inadequados com treino intenso ao longo dos anos acelera o desgaste das articulações, e isso se aplica a todos os esportes.

É indicado correr para emagrecer?

Pacientes acima do peso que escolhem correr para perder peso enfrentam outra questão. Correr nessas situações pode não ser a melhor opção, pois o excesso de peso impõe uma carga adicional aos músculos, aumentando o risco de lesões e desgaste prematuro.

Para quem não sabe, o impacto da corrida chega a aumentar 8 a 9 vezes o peso do corpo sobre a articulação a cada passada. Acompanhamento com um professor de educação física pode auxiliar nesses casos.

Qual a importância da fisioterapia para a prevenção ou tratamento da artrose? 

A fisioterapia vai corrigir as disfunções biomecânicas com exercícios específicos e individualizados. Além disso, também existem equipamentos e técnicas para analgesia e melhora da dor. 

As clínicas de fisioterapia que fazem um atendimento em massa ou com profissionais menos qualificados, costumam usar apenas aparelhos ou quando passam exercícios e alongamentos, não passam de uma forma individualizada, com isso o paciente não obtém resultado.

Então, a fisioterapia é o passo de transição para o fortalecimento muscular na academia, ou pilates, corrigindo a postura para levantar os pesos da forma correta.

A fisioterapia pode demorar para apresentar resultado, mas em muitos casos é o melhor caminho e, assim como a academia, leva tempo e requer paciência. 

Além da fisioterapia, as outras opções de tratamento para artrose incluem:

  • Pilates;
  • RPG;
  • Quiropraxia;
  • Hidroterapia;
  • Osteopatia etc.

É possível perceber que muito da prevenção e tratamento da artrose está dentro do senso comum de coisas que fazem bem ou mal, mas o resultado está nos detalhes, por isso que depende de tratamento multidisciplinar. 

Além disso, é preciso levar em consideração as dimensões biológicas, psicológicas e sociais dos pacientes, independente da área de atuação.

Quais são os fatores de risco para o desgaste da articulação?

A articulação não é simplesmente uma engrenagem, ela funciona de uma forma mecânica, como explicado anteriormente, mas diferente de uma máquina, ela é feita de tecidos vivos, que têm capacidade de regeneração, mas também são sensíveis a fatores biológicos. 

Por isso, tudo que leva ao estresse do corpo pode prejudicar o envelhecimento dos tecidos e, com isso, resultar no desgaste acelerado da articulação. 

A alimentação e os exercícios são benéficos para as articulações. No entanto, alguns dos possíveis fatores de risco para o desgaste são:

  • Cigarro;
  • Álcool;
  • Sono ruim;
  • Excesso de estresse no dia a dia. 

Ainda não existem tantos estudos focados na relação da artrose e alguns desses hábitos de vida. No entanto, existe uma correlação entre eles e o aumento de radicais livres no corpo, inflamação, catabolismo muscular e o prejuízo da recuperação das células, o que, consequentemente, afeta também na articulação. 

Qual a correlação entre a postura e a artrose?

A postura é uma parte fundamental, principalmente quando se fala em coluna. A cifose na coluna lombar e cervical lança a pressão para o disco vertebral e aumenta a sobrecarga nos ligamentos na parte de trás da coluna, levando ao desgaste precoce. 

Um estudo mecânico comprovou que, ao pegar um peso incorretamente, pode-se aumentar em quase 10 vezes a sobrecarga na lombar. Já a inclinação da cabeça para frente, como usando um celular, pode aumentar até quase 5 vezes o peso de sustentação da cabeça pela cervical.

Em média, a cabeça de uma pessoa pesa cerca de 6 quilos. No entanto, quando a cabeça é inclinada em 60 graus, uma posição comum ao usar dispositivos móveis, a carga percebida pelo pescoço pode aumentar para aproximadamente 27 quilos. Isso é equivalente ao peso de quatro sacos de arroz de 5 quilos cada, ou um galão de água de 20 litros, sendo suportado pela cabeça e pescoço durante várias horas.

A postura é relevante em várias áreas de nossa vida, no trabalho, ao deitar-se na cama, dirigir um carro, carregar móveis etc. Por isso requer atenção.

Comentamos as principais ações que profissionais podem indicar para auxiliar na prevenção e no tratamento da artrose, e que você pode adotar na sua rotina. Se você já seguiu as recomendações e ainda sente desconforto, querendo evitar a cirurgia, nós, ortopedistas, temos outras medidas para sugerir. É importante que o paciente continue aplicando essas orientações.

Apresentarei algumas alternativas de tratamento para você explorar antes de optar pela intervenção cirúrgica. Portanto, antes de considerar a substituição do joelho ou quadril por uma prótese, faça uma avaliação com um médico especialista.

Entre em contato e agende uma avaliação com o Dr. Oliver Ulson

Os principais medicamentos para o tratamento da artrose

Os remédios específicos para artrose, são conhecidos como condroprotetores, ou seja, protetor de cartilagem ou os medicamentos anti-artrósicos de ação lenta. 

É importante entender que, atualmente, não temos um medicamento capaz de regenerar a cartilagem de forma direta. No entanto, esses medicamentos desempenham um papel importante para mitigar a resposta inflamatória, contribuindo indiretamente para a manipulação da cartilagem ao longo do tempo.

Os medicamentos utilizados para essas condições geralmente possuem propriedades imunomoduladoras, anti-inflamatórias ou antioxidantes.

Colágeno tipo 2 ou UC2

Não recomenda-se o colágeno para repor cartilagem. Já o colágeno tipo 2 não hidrolisado, ou UC2, funciona como imunomodulador da resposta inflamatória articular, auxiliando em 60% dos pacientes com dor. 

Outros medicamentos anti-inflamatórios fitoterápicos são:

Outros medicamentos, mas ainda sem muitos estudos comprovados são a canela de velho, unha de gato, etc. 

Alguns desses medicamentos podem ser ingeridos em comprimidos ou também em cremes, géis e pomadas. 

Até agora, não há evidências científicas comprovando o uso de diversos medicamentos para prevenir o desgaste das articulações. A investigação sobre esses medicamentos é recente, e os resultados dos estudos ainda não são definitivos. No entanto, essas opções podem ser válidas, dada a sua baixa incidência de riscos e efeitos colaterais.

Dessa forma, para a prevenção e alívio de consciência, indica-se começar pelo UC2 e a curcumina, que são os mais seguros para o uso a longo prazo, além disso a curcumina tem mostrado vários outros benefícios além da articulação. 

Para quem são indicados os fitoterápicos?

Estes medicamentos são indicados para pacientes com dores e que apresentam uma artrose precoce ou que estão iniciando o tratamento, pois eles auxiliam na diminuição de crises e dependem menos dos remédios mais fortes como analgésicos e anti-inflamatórios. 

Existe medicamento para curar a artrose?

Não! É importante esclarecer que medicamentos não previnem e nem curam a artrose. Eles atuam apenas no intervalo dos sintomas, o que pode, consequentemente, retardar a necessidade de uma intervenção cirúrgica.

A artrose é uma condição crônica para a qual ainda não existe cura. Portanto, não é eficaz nem seguro tentar resolver tudo apenas com medicamentos. Se você está em um ponto em que depende de remédios para lidar com a dor, é hora de reavaliar seu plano de tratamento. Apesar da desconfiança a respeito da cirurgia, os riscos associados ao uso prolongado de medicamentos potentes podem ser significativamente maiores.

Quais os medicamentos com maiores riscos associados ao uso prolongado?

Os anti-inflamatórios e os corticoides auxiliam em uma possível crise, mas são os piores para saúde se o uso for frequente. 

Se você tem uma artrose mais leve, indica-se os analgésicos, como a dipirona e o paracetamol, para o controle da dor. Para uma dor mais forte, recomenda-se os opioides fracos, como a codeína ou tramadol. 

Os analgésicos são considerados seguros para uso a longo prazo. No entanto, se houver necessidade de uso contínuo de opioides, é indicado que o plano de tratamento esteja atualizado para evitar dependência.

Ademais, existem diversas outras opções terapêuticas disponíveis para o manejo da artrose. Portanto, caso você queira saber mais, recomendo a leitura de outros conteúdos em meu Blog para mais informações. Além disso, no meu canal do YouTube, tenho disponibilizado diversos vídeos a respeitos de opções de tratamento conservador para os sintomas da artrose e de outras condições.

Quais são as demais opções de tratamento conservador para artrose?

Para os pacientes com muita dor e que não consideram a intervenção cirúrgica, indicam-se as infiltrações com terapias biológicas e regenerativas, como o ácido hialurônico, o aspirado de medula óssea e células mesenquimais tem ajudado bastante nesses casos. 

Estes tratamentos ajudam, em alguns casos, a retardar a necessidade de uma cirurgia para a artrose. Em meu consultório, recebo relato de pacientes que estão há alguns anos usando ácido hialurônico. Se fosse no passado, eles provavelmente já teriam que ter realizado uma prótese no joelho. 

É importante ressaltar que a aplicação bem-sucedida de ácido hialurônico não depende apenas da escolha do produto, mas é preciso ter atenção também a detalhes específicos, semelhantes à forma como dietas e regimes de exercícios são personalizados para atender às necessidades do paciente. Por isso, é possível perceber uma ampla variação nos resultados entre diferentes pessoas.

O ideal é, sempre que buscar o tratamento da artrose, estar ciente do que é mais indicado pelos especialistas. Além disso, ter o acompanhamento de um profissional da ortopedia com expertise também é indispensável para ter sucesso.

Se você deseja saber mais sobre a artrose e outras questões relacionadas à ortopedia, sobre o melhor tratamento para você e obter uma avaliação completa, entre em contato, eu posso te ajudar!

Entre em contato com a equipe do Dr. Oliver Ulson

Referências

Oarsi Journal