Cirurgia para lesão do menisco

Você já ouviu falar em menisco? Se ao correr, chutar ou aterrissar após um salto, nenhuma dor acomete o nosso joelho, devemos agradecer a esse pequeno tecido de formato semicircular, composto por cartilagem fibrosa e encontrado no centro do joelho, cuja principal função é receber e dissipar os impactos e cargas que vão de encontro a esta importante e complexa articulação do corpo humano.

Porém, se extremamente exigido – como ocorre muito com atletas – o menisco pode ser alvo de lesões, sendo a ruptura a mais comum delas – e que, em muitos casos, pode acarretar divisão do tecido em duas partes.

Ao ser constatada a patologia, o indivíduo deverá procurar o ortopedista, que, confirmando a suspeita, deverá analisar o quadro para optar pelo tratamento mais adequado: o conservador ou o cirúrgico. O profissional deverá observar fatores como o grau de dor do paciente e a tolerância à amplitude de movimento, para, em seguida, tomar sua decisão.

Se a escolha for pelo método invasivo, é necessário avaliar ainda o tipo de cirurgia mais indicado, se a meniscectomia ou a sutura meniscal. E é sobre todo este processo que vamos falar mais abaixo, sempre contextualizando e observando todos os tópicos abaixo:

Vista Superior Do Joelho Demonstrando A Forma Em Semilua Dos Meniscos 2

Quando indicar o tratamento cirúrgico

Ao ser diagnosticado que tipo de lesão afetou o menisco, o próximo passo é definir que tratamento seguir, se o conservador (com exercícios fisioterápicos) ou o cirúrgico. Para isto, o ortopedista pode realizar uma avaliação do caso levando em consideração o grau de dor do paciente, sua tolerância à amplitude de movimento e entre outros fatores.

Para determinar o tipo de tratamento, devemos entender se o paciente é ativo ou sedentário, quadro clínico, idade, e fatores relacionados à própria lesão, incluindo o tempo de duração, classificação, tamanho e local da lesão e presença de outros tecidos machucados, como ligamentos cruzados e colaterais.

Esses fatores são fundamentais na escolha entre o tratamento conservador ou cirúrgico, assim como no caso cirúrgico, entre a meniscectomia e a meniscorrafia (sutura do menisco). E se a opção for pela cirurgia, será necessário entender o quadro do paciente para indicar o tipo de intervenção mais adequado.

A meniscectomia é recomendada para lesões na área mais central do menisco, lesões complexas, lesões instáveis (que saem do lugar dando dor e bloqueio), lesões radiais, alça de balde instável e lesões degenerativas, lesões crônicas quando não obteve sucesso com o tratamento conservador.

Nós evitamos de operar os meniscos de idosos, pois eles são muito importantes para proteger a cartilagem com artrose, mesmo que machucados, mas quando não há melhora com tratamento conservador, pode ser uma opção.

Já no caso da sutura meniscal, a indicação acontece para pacientes jovens e quando a lesão é longitudinal, periférica aguda ou localizada na zona vascular, onde há um bom fornecimento de sangue. Este critério, no entanto, tem sido levado cada vez menos em consideração, já que especialistas já vêm realizando a sutura para casos de rupturas que outrora não seriam consideradas suturáveis.

Tipos de cirurgia

Dispositivos Para Sutura Do Menisco 1

Dispositivos para sutura do menisco

A meniscectomia pode ser total ou parcial. A total consiste na retirada da maior parte do menisco, porém, tem sido pouco utilizada, já que estudos apontam que há um histórico de pacientes que desenvolveram uma doença articular degenerativa progressiva, a condropatia ou artrose. Sendo assim, a tendência atualmente é a opção pela meniscectomia parcial, que resseca o mínimo do menisco, a fim de preservar uma borda estável.

Realizada sob raquianestesia e sedação, a meniscectomia é realizada através de uma técnica pouco invasiva chamada artroscopia, que dura cerca de 30-60 minutos para realizar dois pequenos cortes no joelho, através dos quais são inseridas uma câmera cilíndrica e uma lâmina oscilatória, que corta e aspira o fragmento. Como o procedimento oferece uma rápida recuperação, é possível que o paciente receba alta em menos de 24 horas.

Já a sutura do menisco por ser realizada através de diferentes técnicas. O critério será a localização da lesão. Entre as possibilidades, estão o procedimento aberto, realizado após o exame artroscópico do joelho; a técnica artroscópica, que vai de dentro para fora; o procedimento de fora para dentro; e o intra-articular, conhecido como all-inside.

Há ainda outros procedimentos cirúrgicos para lesão do menisco. A Fixação da raiz do menisco, como o nome já indica, fixa a raiz meniscal à tíbia. É indicado quando a raiz está rompida.

E por fim, a Subcondroplastia, que injeta um enxerto na tíbia logo abaixo da lesão do menisco. É recomendado quando há um edema ósseo em casos de lesões degenerativas do menisco que evoluem com dor persistente.

Recuperação

O tempo de recuperação no pós-operatório em casos de lesão no menisco vai depender de uma série de fatores. Entres eles, a idade do paciente, a força muscular, o tipo de patologia e o procedimento escolhido. No caso da meniscectomia, o tempo de uso de muletas e a contagem regressiva para o retorno às atividades esportivas dependem diretamente da idade do paciente e do foco da cirurgia.

Quando o indivíduo é jovem e o procedimento foi realizado no menisco medial, por exemplo, o alívio das dores e a volta ao esporte podem acontecer entre duas ou três semanas. Já se o menisco operado for o lateral, esta retomada pode demorar um pouco mais por causa da grande inervação do tecido e da cicatrização mais lenta.

Quanto à sutura, o período de recuperação pode durar seis semanas ou mais, período no qual é indispensável o uso de muletas para que o peso do corpo não recaia sobre o joelho operado.

Conclusão

 O menisco é um tecido em formato semicircular, composto por fibras colágenas e cartilagem, localizado no centro do joelho, entre o fêmur (osso da coxa) e a tíbia (osso popularmente conhecido como canela). Definido em duas classes (lateral e medial), ele tem como principal função amortecer os impactos sofridos pela articulação durante movimentos cotidianos.

A depender da intensidade destes movimentos e do passar do tempo, o menisco pode sofrer com lesões, sendo a ruptura a mais comum. Para o tratamento, o ortopedista leva em consideração uma série de fatores antes de definir o mais indicado: conservador (com fisioterapia) ou cirúrgico.

No caso da cirurgia, há duas técnicas que vêm sendo bastante difundidas entre especialistas: a meniscectomia e a sutura meniscal. A escolha por uma delas também vai depender de várias situações, como a idade e a profissão do paciente e o foco da lesão.

Se ficou com alguma dúvida, gostaria de fazer alguma sugestão, ou alguma colocação, escreva abaixo nos comentários. Agora, se gostaria de agendar uma consulta, ficarei feliz em poder ajudar.

Ficarei feliz em poder lhe ajudar. Agora se necessita de agendar uma consulta, atendo como ortopedista em São Paulo (Itaim Bibi e Higienópolis) e Alphaville (Barueri / Santana de Parnaíba) e por telemedicina.

Referência (em inglês):

-Artroscopeia de Menisco

-Meniscectomia

-Recuperação da Cirurgia de Menisco