Dexametasona – Tudo sobre

            A Dexametasona é um corticoide, ou seja, é um tipo de hormônio fundamental para diversas funções do nosso organismo, inclusive nosso próprio o corpo produz este hormônio, o cortisol.

            O seu efeito principal é anti-inflamatório e de redução de edema local. Também pode ser conhecida pelos seus nomes comerciais como decadron, dexacitoneurim, e dexaneurin.

            Ele pode ser indicado para quadros de dor aguda devido ao seu potente efeito antiinflamatório, inclusive mais forte que os anti-inflamatórios não esteroidais, como a nimesulida, o profenid, o meloxicam e o diclofenaco. É inclusive mais forte do que a prednisona, quando comparado a sua dosagem e efeito terapêutico.

            Assim vemos o uso principal no Pronto-socorro ortopédico para quadros agudos de torcicolos, lombalgias e outras dores nas costas ou também traumas maiores.

            Pode ser também utilizado para quadros de enxaqueca e outras cefaleias, edema cerebral e medular, e também quadros alérgicos, com o seu efeito antiinflamatório atingindo o pico após 3 a 4 horas.

            Dexametasona também pode ser utilizada para doenças crônicas como quadros alérgicos, doenças autoimunes e outras doenças reumatológicas. Apresenta formulação intramuscular, endovenosa, em comprimidos e por via subcutânea.

            O dexacitoneurim é um composto de dexametasona mais complexo b, assim possui efeitos melhores em neuropatias, favorecendo a re-inervação ou seja a recuperação do nervo. Desta forma, apresenta uma boa resposta para quadros de inflamação do nervo ciático também conhecida como ciatalgia, quadros agudos de síndrome do túnel do carpo e cervicobraquialgias, que são aquelas dores irradiadas nos braços equivalente a ciatalgia nas pernas.

            O seu uso indiscriminado sem acompanhamento deste medicamento, principalmente no uso contínuo, pode levar há uma série de complicações sérias e graves.

            Os riscos do uso deste medicamento, além dos efeitos colaterais imediatos são:  náuseas, vômitos, diarreia, aumento da frequência cardíaca, coceira e alergia. O uso crônico deste medicamento pode levar ao aumento da pressão arterial, aumento da glicemia, agravando quadros de diabetes ou pré diabetes, pode elevar a retenção de líquidos.

            Seu uso crônico pode levar a dependência, pois o organismo para de produzir o corticoide naturalmente, e quando a pessoa para de tomar, ela pode desenvolver uma doença séria pela falta de cortisol no organismo. Pode também levar a espinhas pelo corpo.

            Devemos também ter um cuidado para pacientes com doenças nos rins e gastrite ou úlceras no estômago, assim como outros anti-inflamatórios.

            A dexametasona também deve ser evitada ou não utilizada próxima da aplicação de vacinas de vírus vivos ou infecções por fungos pelo organismo e também não deve ser utilizado em grávidas e por mulheres amamentando.

            Se ficou com alguma dúvida, gostaria de fazer alguma sugestão, ou alguma colocação, escreva abaixo nos comentários.

            Agora se necessita agendar uma consulta, atendo como ortopedista em São Paulo (Itaim Bibi e Higienópolis) e Alphaville (Barueri / Santana de Parnaíba) e por telemedicina.

REFERÊNCIAS:

-BULA