dores musculares

Diferenças entre lesões musculares e como tratar da forma correta

Por muito tempo, as lesões musculares foram tratadas de forma inadequada, isso porque levam-se em consideração os diferentes tipos, como: a dor muscular tardia, contratura, distensão, estiramento e ruptura muscular, assim como as dores miofasciais e câimbras. 

Neste artigo, adaptado do meu vídeo do YouTube, eu explico em detalhes a forma correta de usar os principiais remédios para tratar as mais diversas lesões musculares.  

Quais os principais tipos de lesão muscular?

Contraturas

A contratura, como o próprio nome diz, é uma contração muscular involuntária e prolongada que não relaxa sozinha. A condição costuma ser causa de dor e rigidez muscular, sendo comum em situações de estresse, esforço físico intenso ou posturas inadequadas. 

Pode-se ter uma contratura na coxa jogando futebol, na lombar pegando um peso, ou um outro exemplo bem comum, que é o torcicolo. 

Câimbras

A câimbra muscular se assemelha a contratura muscular, sendo um espasmo de todo o grupo muscular que acontece por causa de um esforço extenuante e desequilíbrio eletrolítico, ou seja, água e sais minerais.  

Além disso, algumas doenças podem levar às câimbras também.

Dores miofasciais

A dor miofascial é causada por contraturas em pontos específicos nos músculos. Popularmente, chama-se estes pontos de nó muscular ou ponto gatilho.  

Com o passar dos dias, a pequena contratura não relaxa, a circulação no ponto começa a ser prejudicada e surgir uma inflamação, que afeta a fáscia muscular e a dor irradiada aparece. 

O médico ao examinar perceberá que a dor é localizada no nó muscular, que é como um caroço no músculo. Às vezes, é possível perceber inclusive a fibra muscular rígida. 

Rupturas e distensões

As rupturas e distensões acontecem quando as fibras musculares se esticam além da sua capacidade e acabam se rompendo. Considera-se a distensão mais leve que a ruptura, mas ambas são questões semelhantes. 

As lesões e rupturas são mais comuns nas atividades esportivas ou esforços intensos. Dentre os principais sintomas estão, a dor intensa, inchaço, hematoma e incapacidade de movimentar o músculo e às vezes, principalmente na ruptura muscular, a pele pode ficar arroxeada, além do paciente sentir um “buraco” no músculo.  

Dores da fibromialgia

A fibromialgia é uma doença crônica onde a percepção da dor e sensações estão alteradas no corpo. Geralmente, caracteriza-se a condição por dor difusa e generalizada. Assim como por sintomas como fadiga, alterações de sono e sensibilidade aumentada ao toque. 

Diferente das outras lesões, a fibromialgia não envolve um dano direto no músculo, mas sim uma sensibilidade aumentada à dor. 

Para saber mais sobre o tratamento da fibromialgia, confira também esse vídeo.

Dor muscular tardia

Um dos tipos de dor muscular após esporte e esforço físico é a dor muscular tardia, também conhecida como DMT ou DOMS (Delayed Onset Muscle Soreness).  

Essa dor é bastante conhecida, já que quase todo mundo que já praticou esportes físicos já sentiu. A dor muscular tardia é a dor que aparece depois de 24 a 72 horas após um exercício físico intenso, principalmente em pessoas que não treinam com regularidade.  

A crença de que o músculo dói nesses casos pelo acúmulo de ácido lático é falsa. Na verdade, estudos apontam que o corpo remove com uma certa rapidez o ácido lático e, por isso, não justifica o aparecimento da dor após 1 a 3 dias. 

Atualmente, a teoria mais aceita é que a dor muscular tardia é o resultado de pequenos danos ou microtraumas nas fibras musculares que ocorrem durante o exercício. Esses danos musculares microscópicos desencadeiam uma resposta inflamatória no corpo, levando ao inchaço e sensibilidade nos músculos afetados.  

Além disso, parece ocorrer a sensibilização de receptores de dor nos músculos, o que pode aumentar a sensação da dor. 

atleta com dores musculares

Cada dor tem diferentes causas, portanto, precisa ser tratada de forma diferente. A partir de agora, explicarei mais detalhadamente como é feito o tratamento para cada tipo de lesão muscular.

Lembrando que, caso o paciente note a presença de um ou mais sintomas que possam indicar o aparecimento de uma lesão muscular, é indispensável buscar um ortopedista o mais rápido possível.

Como é possível tratar as contraturas, dores miofasciais e câimbras?

O tratamento para contratura, câimbra e da dor miofascial são semelhantes, já que todas são causadas pelo espasmo muscular persistente que acontece involuntariamente, ou seja, contra a vontade do paciente. 

Boa parte das vezes a contratura muscular acontece como um mecanismo de defesa do músculo contra um esforço intenso mais agudo, já a câimbra acontece mais após uma fadiga do músculo, tendo relação também com desequilíbrio de sais minerais e desidratação. 

No tratamento do espasmo muscular, o paciente poderá fazer o uso de bebidas isotônicas, como o Gatorade, assim como de compressa quentes e relaxantes musculares ou analgésicos para soltar este espasmo e aliviar a dor. 

Quais são os analgésicos mais recomendados? 

O médico pode prescrever medicamentos de acordo com o paciente, levando em consideração fatores como alergia e contraindicação. Entre os principais indicados estão a dipirona, o paracetamol e até mesmo os mais fortes, como codeína e tramadol. 

Quais são os relaxantes musculares mais recomendados?

Os relaxantes musculares prescritos incluem o coltrax (versão intramuscular ou via oral), além do ciclobenzaprina, como miosan, musculare e baclofeno. 

Outras opções que também têm relaxante muscular na composição são o dorflex, o trandrilax, infralax e mioflex A. Entretanto, estes medicamentos também contam com anti-inflamatórios e analgésicos em sua composição, o que prejudica a recuperação muscular.

Neste caso, o que faço e recomendo aos meus pacientes é utilizar um relaxante muscular ou analgésico e usar um anti-inflamatório local, em pomada ou emplastro (adesivo). Uma opção mais forte é o loxoprofeno. 

A diferença está na durabilidade dos tratamentos. A câimbra é uma condição resolvida mais rapidamente, portanto, pode-se suspender o uso do medicamento quando a contração passar. 

Na dor miofascial, como ocorre com o espasmo do nó persistente, o paciente deve usar o relaxante muscular de forma mais intensa e prolongada, até o desaparecimento do nó.

Como tratam-se as distensões e rupturas musculares?

Os tratamentos para distensão e ruptura muscular são os feitos de maneira mais inadequada.

A distensão muscular é mais leve que a ruptura, então, o tratamento pode ser feito com o uso de analgésico, relaxante muscular e, às vezes, anti-inflamatório.

É difícil de diferenciar a distensão de uma ruptura. Mas, no caso de ruptura muscular, existe um sangramento e formação de um hematoma e um processo inflamatório no lugar onde está a lesão no músculo, esse hematoma e a inflamação são fundamentais para ocorrer a cicatrização correta do músculo. 

O erro no tratamento da ruptura muscular é o seguinte: Estudos apontam que usar anti-inflamatórios nas primeiras 72 horas após a ruptura prejudica a cicatrização do músculo, ficando uma cicatriz frágil.

Por isso, o ideal é que os pacientes comecem a tomar o anti-inflamatório após 72 horas. Antes desse período, o ideal é prescrever analgésico ou relaxante muscular.  

Para pacientes com dores fortes, a codeína ou tramadol podem ser uma opção.  

Se você deseja saber mais sobre os medicamentos citados neste artigo, acesse meu canal no YouTube. Lá, publiquei vídeos sobre todos os remédios mencionados mais detalhadamente.  

Como tratar a dor muscular tardia ou dor pós exercícios físicos?

A dor muscular tardia, ou DMT ou DOMS, é uma dor que surge após alguns dias do exercício físico, contendo características à parte das demais. 

Isso ocorre porque a dor é causada pela inflamação pela sobrecarga muscular e micro lesões. Então, o processo de adaptação e recuperação muscular envolve, em parte, uma resposta à inflamação gerada pelo esforço. 

Pesquisas apontam inclusive que a microlesão muscular não é o principal fator para o aumento das fibras musculares.  

Na verdade, a hipertrofia e ganho de força não é uma coisa tão simplista quanto se imagina. O aumento do volume do músculo acontece pelo aumento de proteínas contráteis, acúmulo de glicogênio, creatina, organelas, aumento da vascularização entre outras coisas. 

Já a força aumenta por adaptação neural, além da hipertrofia muscular. O músculo então tem o estímulo de hipertrofia pela reparação dessas microlesões, mas o principal mecanismo, na verdade, é de mecanotransdução. 

O que é mecanotransdução?

A mecanotransdução ocorre quando a célula transforma um estímulo mecânico em um estímulo bioquímico, no caso, de produzir mais proteínas e adaptar a célula aquele esforço. 

Então, por isso, ficar tomando anti-inflamatório após o treino não é legal, atrapalha em parte esse estímulo. Então, o fazer nesses casos? 

Caso paciente esteja com uma dor intensa, é possível fazer o uso de anti-inflamatório ou outro medicamento, mas quanto menos, melhor. Se puder, recomenda-se que o paciente tome apenas analgésicos e relaxantes musculares.  

Se você quiser saber mais sobre as terapias medicamentosas para o controle das dores agudas ou crônicas, não deixe de conferir o meu canal no YouTube. Lá, eu explico detalhadamente sobre diversas condições ortopédicas e seus tratamentos.

Uma substância que pode ajudar a diminuir a inflamação intensa e recuperar o músculo após o treino é a curcumina, aponta um estudo realizado em atletas. Como ela tem um efeito analgésico e anti-inflamatório, com mecanismo diferente dos anti-inflamatórios convencionais, parece ser uma opção melhor para pacientes que sentem dores frequentes.

Neste vídeo, você entende mais sobre os benefícios e ressalvas do uso da cúrcuma.

A importância dos tratamentos complementares 

Além das terapias medicamentosas, os tratamentos complementares são essenciais para uma plena recuperação do paciente. Então, recomenda-se um protocolo de protocolo de terapias, como:

fisioterapia no tratamento das dores musculares

Vale lembrar que o melhor tratamento dependerá do diagnóstico para identificar qual o tipo de lesão muscular que o paciente apresenta. Portanto, é importante que o paciente acometido busque um profissional especialista no tratamento destas dores.

Caso você sofra com dores musculares que não são aliviadas ou outras condições ortopédicas, marque uma consulta comigo. Estou pronto para te ajudar!

Foram usadas diversas referências científicas, caso você queira saber mais sobre, confira nos links abaixo:

Flann et al. – https://journals.biologists.com/jeb/a…  

Damas et al. – https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/arti…  

Hyldahl et al. – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27782…  

Pareja-Blanco et al. – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30036…  

Lopez et al. – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33433…  

Schoenfeld et al. – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26605…  

Wackerhage et al. – https://journals.physiology.org/doi/f…