Mulher com dor na coluna e ciático

Dor na coluna e ciático: Principais tratamentos medicamentosos

As dores na coluna, como torcicolo, dorsalgia e lombalgia com ou sem ciática, são as principais queixas da ortopedia, tanto em pronto-socorro, quanto no consultório.  Em média, mais de 80% das pessoas terão dor em alguma parte da coluna na vida. 

Neste artigo, baseado no meu vídeo do YouTube, eu explico tudo sobre o tratamento medicamentoso da dor na coluna e ciático, incluindo hérnia de disco e artrose, tanto na crise aguda, quanto no tratamento crônico. 

Para facilitar a leitura, vou separar os tratamentos para dores de coluna na crise aguda e crônica, já que ambas são bastante diferentes, assim como o tratamento para elas.

Quando eu devo iniciar o tratamento para dor na coluna ou ciático?

Para pacientes que não sabem a causa da dor na coluna ou dor ciática, é fundamental chegar ao diagnóstico certo para tratar a causa do problema. Nessa etapa, o médico vai avaliar a história clínica do paciente, além do exame físico e, em alguns casos, pode solicitar exames de imagem, como radiografias, ressonância magnética ou tomografia computadorizada.

Às vezes, se o paciente apresentou dor aguda na coluna porque fez um esforço além do normal, pode ser que com alguns dias de medicação certa, o problema seja resolvido.

No entanto, quando se trata de dor crônica, o tratamento é mais complexo e pode necessitar de terapias complementares, como controle da parte emocional, atividades físicas e fisioterapias, correção de postura e mecânica nos movimentos, entre vários outros tratamentos. 

Antes de entrar com terapia medicamentosa, é importante que o paciente relate ao médico a presença de alergias à medicamentos ou problemas de saúde que possam impedir a prescrição de algum remédio. Nesse artigo, vamos partir do pressuposto de que o paciente não tenha nenhuma alergia ou problema de saúde.

Inflamação que causa a dor da lesão do nervo ciático
Ilustração do Nervo Ciático

Remédios para dor aguda na coluna, ciático e hérnia de disco 

Pacientes que vão ao pronto-socorro com crise aguda e intensa de dor na coluna, geralmente podem estar apresentando quadros de torcicolo, dorsalgia, lombalgia etc. Nestes casos, é possível prescrever medicamentos injetáveis para o controle da dor forte.

Hoje, sabe-se que associar mais de um remédio para o tratamento da dor é a melhor opção, porque os efeitos se potencializam e o paciente melhora com doses menores de cada remédio e tem menos efeito colateral. 

Para a dor aguda, é possível prescrever também os seguintes medicamentos associados:

Corticoides e anti-inflamatório não esteroidal

Associa-se corticoides como dexametasona ou betametasona a anti-inflamatórios não esteroidal, como cetoprofeno ou diclofenaco, junto com a dipirona e, às vezes, um opioide como o tramadol. 

Existem casos em que os pacientes ficam enjoados com tramal, assim, é recomendável pedir para que a enfermeira corra o soro devagar ou colocar junto o dramin. Para paciente com gastrite, o omeprazol pode ajudar no controle da dor.

Para pacientes com dor neuropática associada, como do ciático ou alguma cervicobraquialgia, com irradiação para o braço, é recomendado prescrever complexo B. 

Mas doutor, e se a dor está muito intensa? E se eu não puder tomar algum destes medicamentos?

Em casos em que o paciente está apresentando quadro de dor muito intensa, o médico pode substituir o tramal pela morfina. 

Já para pacientes que não possam tomar a dipirona, por exemplo, é possível substituí-la pelo tylenol. O tramal pode ser trocado pela codeína. A desvantagem dos medicamentos citados é que todos são ingeridos via oral, o que tarda mais o efeito.

Se o paciente está com uma contratura muscular forte, é possível associar algum relaxante muscular, como a ciclobenzaprina, Diazepam ou baclofeno. 

O coltrax é um medicamento eficaz, mas que não é indicado para o uso associado a outros remédios. 

Mesmo recebendo tratamento na emergência, devo ir a um ortopedista depois?

Sim!

Mesmo que o paciente apresente melhora da crise de dor intensa, é indispensável que ele busque acompanhamento de um ortopedista em consultório. Além disso, as vezes é necessário prescrever medicamentos para continuar o tratamento em casa.  

Os medicamentos que podem ser prescritos para uso do paciente em casa incluem relaxante muscular, anti-inflamatório e analgésico associados. Existem remédios que já incluem os três na composição, como tandrilax, torsilax, infralax ou Mioflex A. 

Para dores intensas, o tramadol pode ser prescrito. E um complexo B para recuperação dos nervos na dor ciática. No tratamento da dor intensa, prescreve-se um Dexacitoneurim a cada 2 dias, totalizando 3 doses; ou alginac 1000 por 5 dias, fora o relaxante muscular e analgésico. 

Quais outros medicamentos para dor na coluna prescreve-se para o tratamento em casa?

Entre os medicamentos que podem ser prescritos para o tratamento de dores na coluna e ciático em casa estão:

  • Analgésicos: Dipirona e paracetamol, como Lisador, Novalgina, Dorflex e Tylenol. 
  • Anti-inflamatórios: Cetoprofeno (profenid); diclofenaco (cataflan e voltaren), alginac (meloxicam, arcoxia, celebra, piroxicam).  
  • Relaxante musculares: De forma geral, como é comum os pacientes com dor na coluna terem algum tipo de dor muscular, os relaxantes são fundamentais no tratamento tanto na fase aguda quanto na crônica. Alguns exemplos são: ciclobenzaprina (miosan ou musculare) e baclofeno, sirdalud.

O Ibuprofeno pode servir tanto como analgésico quanto como anti-inflamatório, a depender da dosagem tomada.

De forma geral, como é comum as pessoas com dor na coluna terem algum tipo de dor muscular, os relaxantes são fundamentais no tratamento tanto na fase aguda quanto na crônica. 

mão com medicamentos para dor na coluna e ciático

Se você deseja saber mais sobre medicamentos para coluna, como anti-inflamatórios e relaxantes muscular, confira os vídeos e as playlists do meu canal no YouTube. Lá, eu discorro melhor sobre cada um deles.

Lembrando que somente um ortopedista especialista poderá definir qual o melhor tratamento para cada quadro de dor, de acordo com o diagnóstico do paciente. Portanto, não é recomendável se automedicar.

Como é o tratamento para dores lombares mais leves?

Em pacientes que apresentem dor lombar mais leve, treinem ou façam algum tipo de esporte, é possível focar no tratamento com o uso de relaxante muscular e analgésico.

Se for o caso, indica-se ao médico prescrever um anti-inflamatório tópico, como emplastro, pomada, creme e gel. 

E como ocorre o tratamento medicamentoso para dor crônica na coluna ou ciático?

O tratamento para pacientes com dor na coluna ou ciática crônica tem uma abordagem completamente diferente da dor aguda. Nestes casos, usam-se menos anti-inflamatório e corticoides.

As principais classes de medicamento para a dor crônica são as de antidepressivos e gabapentinóides. Os analgésicos e relaxantes musculares também são boas opções para o tratamento das dores crônicas na coluna ou ciático.

Se o paciente apresenta dores moderadas a fortes, é possível prescrever o uso de anti-inflamatório por poucos dias. Por exemplo, o diprospan pode ajudar o paciente a diminuir um pouco mais rápido a dor e conseguir iniciar os outros tratamentos. 

Já o tramal ou tylex recomenda-se para alguma eventual crise. 

Remédios fitoterápicos anti-inflamatórios também são opções úteis e que não apresentam risco se tomados de maneira contínua, como a cúrcuma longa e a famosa “garra do diabo”, por exemplo.

Já as terapias alternativas, como fisioterapia e acupuntura, também são essenciais para o controle das dores crônicas na coluna e no ciático.

paciente em reabilitação da dor no ciático

Para pacientes que apresentam dor neuropática, ou seja, uma dor no nervo, como a dor do ciático, ou uma cervicobraquialgia, que é a dor irradiada no braço, prescreve-se também complexos vitamínicos para melhorar a recuperação do nervo, como o citoneurim e etna.

Qual o papel dos remédios adjuvantes na recuperação da dor crônica na coluna ou no ciático?

Os remédios adjuvantes são essenciais no tratamento da dor crônica. Estes medicamentos não são diretamente analgésicos, são remédios de outras classes que ajudam a controlar e reverter o processo de sensibilização que acontece no sistema nervoso.

No geral, os remédios adjuvantes são antidepressivos e anticonvulsivantes, como a amitriptilina, a pregabalina, a duloxetina, a gabapentina, entre outros dessas classes. 

Como os medicamentos para as dores crônicas agem? 

Quando sofremos um estímulo doloroso por muito tempo, como no caso da dor crônica, nosso sistema nervoso central sofre várias modificações na transmissão dos impulsos nervosos e interpretação da dor. São os nervos que captam as sensações no lugar do machucado e levam até o cérebro, onde realmente sentimos as coisas.  

O cérebro manda um estímulo nervoso novo para a região do machucado, controlando a sensação dolorosa. Sendo assim, os remédios agem na transmissão do impulso nervoso, controlando a dor diretamente no cérebro, medula e nervos. 

Por isso, usam-se os medicamentos tanto quem tem dor crônica na coluna, quanto quem tem dor nos nervos, como o ciático e na síndrome do túnel do carpo, ou também pessoas com neuropatia pelo diabetes. 

Se você quiser saber mais afundo sobre isso, eu tenho um vídeo sobre remédios para dor crônica que eu entro mais em detalhes.

Ao contrário dos analgésicos, os medicamentos para a dor crônica servem para modular a função dos neurônios, voltando à sensação normal da dor na pessoa. 

Os medicamentos para dor crônica na coluna ou ciático agem rapidamente?

Não muito, o tempo para os medicamentos para dores crônicas começar a equilibrar no organismo é em torno de duas semanas.

No começo, o paciente pode apresentar mais efeitos colaterais e menos alívio da dor. Portanto, o ideal é começar aos poucos com dose baixa e ir ajustando com o tempo. 

Cada reage de uma forma aos remédios, o que torna indispensável começar o tratamento com uma dose baixa.

Leia também: Dores crônicas: Saiba como parar de tomar remédios para a condição


É importante ressaltar que esses remédios citados neste artigo não devem ser tomados por tempo prolongado, muito menos para sempre. Sendo assim, é indispensável fazer os outros tratamentos complementares, como fisioterapias e acupunturas e manter o acompanhamento médico com um ortopedista de sua confiança.

As dores crônicas não são coisa simples de tratar, por isso o ideal é que você procure um médico com aprofundamento no assunto. Para saber mais sobre esses e outros assuntos relacionados à ortopedia, acesse o meu canal no YouTube.

Eu sou o Dr. Oliver Ulson, médico ortopedista especialista no tratamento de dores crônicas e agudas relacionadas às articulações, ossos e nervos. Estou disposto a te ajudar a recuperar sua qualidade de vida!