Dor na lateral do joelho: Causas, fatores de risco e tratamento

Você já sentiu aquele incômodo chato, tipo uma agulhada, uma queimação ou dor na lateral do joelho?

Seja no meio de uma corrida, durante a musculação, após um dia de maratona de série no sofá ou mesmo depois de ficar o dia todo no trabalho, essa dorzinha insiste em dar as caras e você se pergunta: “O que eu fiz de errado agora?”

As dores na parte de fora do joelho podem aparecer tanto em pacientes ativos, que praticam vários esportes tipo corrida, bicicleta, musculação, crossfit, futebol etc. Mas também podem se apresentar em pacientes que não fazem nenhum tipo de atividade física, em qualquer idade. 

Neste artigo, baseado no meu vídeo do YouTube, eu explico as principais causas de dor na face lateral do joelho, também conhecida como parte externa ou de fora do joelho, incluindo as doenças que causam essas dores e o que leva ao aparecimento desses problemas.

O que causa as dores na parte de fora do joelho?

Dores na parte externa do joelho podem ser causadas por diversas condições, incluindo:

O menisco do joelho

O menisco é um disco em forma de “C” localizado entre a tíbia e o fêmur, existem dois desses meniscos. Um na parte de dentro, que é o medial e outro na parte de fora que é o lateral. 

menisco do joelho

O menisco é uma parte essencial para o joelho, pois absorve o impacto, aumenta a superfície de contato entre os ossos e diminui o atrito entre eles. 

O que causa a dor no menisco?

A dor do menisco lateral acomete geralmente na linha da articulação e piora quando a região é apertada ou fazemos manobras de rotação do joelho e compressão da área. As lesões dos meniscos podem apresentar sensação de limitação do movimento e bloqueio articular. 

local afetado pela dor de menisco

O menisco pode apresentar dores por diversas causas, desde um machucado por um trauma, como uma torção que pode gerar uma ruptura, como se fosse um rasgo ou sofrer uma degeneração, um desgaste de menisco. 

Nessas duas situações, o menisco pode apresentar uma inflamação em volta dele, chamada de perimeniscite. Nestes casos, as dores podem ser mais fortes.

Além disso, outra causa que pode levar a dor, é o menisco discoide. Dessa forma, o menisco ao invés de ter uma forma em C, tem o formato mais redondo, ocasionando a uma sobrecarga maior. 

Neste vídeo publicado no meu canal, eu explico mais profundamente sobre as  lesões menicais.

Ligamento colateral lateral e o tendão do músculo poplíteo

Muitos pacientes se questionam se a dor de ligamento pode ocorrer na parte de fora do joelho e a resposta é: sim, claro!

Existem dois ligamentos principais que podem causar dores na parte de fora do joelho, sendo eles o ligamento colateral lateral e o tendão do músculo poplíteo.

ligamento colateral lateral e tendão do músculo poplíteo

O ligamento colateral lateral e o tendão do músculo poplíteo são essenciais para uma estabilidade na parte de fora e deixar o joelho firme, sem falseio. Essas lesões são mais raras que outros ligamentos, como o cruzado anterior e o colateral medial, localizado do outro lado do joelho. 

Se o paciente machucar esta região do corpo, o mais comum é que seja por meio de um trauma direto ou torção, ao fazer algum esporte de contato, como futebol, basquete ou luta. Assim, geralmente o paciente sente algum falseio.

Nessas lesões, o paciente pode machucar outros ligamentos, por isso é preciso examinar corretamente. Se não existe a sensação de falseio, muitas vezes é difícil de diferenciar do menisco. 

De forma geral, o ligamento machucado dói quando é tensionado e o menisco é comprimido, então, com algumas simples manobras é possível suspeitar de uma lesão ou outra. 

Além disso, o menisco pode causar bloqueio articular em alguns casos, enquanto o ligamento apresenta sensação maior de que o joelho está meio solto, frouxo. 

Portanto, o exame de ressonância é fundamental para diferenciar uma lesão da outra, o que facilita o diagnóstico e tratamento. As lesões dos ligamentos podem ter 3 graus e com a ressonância é possível perceber e determinar o melhor tratamento, desde repouso e anti-inflamatório, até os casos que precisam de intervenção cirúrgica. 

Lesões da cartilagem articular

Entre as lesões de cartilagem no joelho, é possível identificar os nomes de condromalácia, condropatia ou lesões condrais, ou osteocondrais. 

As mais conhecidas são condropatia ou condromalácia patelar, mas na verdade, qualquer parte do corpo com cartilagem pode ocasionar uma condropatia.    

Se o paciente apresenta dores na parte de fora do joelho por problemas na cartilagem, geralmente ele sente dor durante movimentos, principalmente com esforços, como agachar, levantar, subir e descer escadas ou fazendo esportes. Essas dores em muitos casos não aparecem quando o joelho é examinado, em outros casos pode-se sentir ranger. 

A lesão de cartilagem é igual a lesão de menisco ou ligamento?

O paciente com lesão de cartilagem não apresenta alteração no exame de menisco ou de ligamento, dessa forma é possível diferenciar uma coisa da outra. 

A cartilagem não apresenta nervos, por isso não é possível sentir dores, os sintomas são apresentados pelas estruturas que estão envolta, que podem ficar sobrecarregadas, como o osso embaixo e o tecido sinovial em volta, que apresenta inflamação. 

Principalmente quando solta uma lasca de cartilagem, chamada de fragmento condral ou osteocondral. Assim, pode ficar como um corpo livre solto na articulação, muitas vezes travando o joelho. 

As dores das lesões de cartilagem na parte lateral do joelho podem ser identificadas em toda essa região em verde na imagem abaixo, podendo irradiar um pouco. Dessa forma, é difícil diferenciar só com o exame físico, pois é possível confundir com outras lesões. 

lesões da cartilagem no joelho

Quais são as causas das lesões de cartilagem e como tratá-las?

Essas lesões de cartilagem podem aparecer por desgaste, sobrecarga do joelho e tempo, além de traumas no joelho. 

As imagens abaixo apresentam uma cartilagem normal e uma desgastada, com condropatia. 

cartilagem normal e cartilagem desgastada

Dependendo do grau dessa lesão, que pode ir do grau 1 ao 4, é possível tratar com fortalecimento muscular, fisioterapia, medicações condroprotetoras. Já nos graus mais altos, recomenda-se infiltrações com técnicas biológicas, como o ácido hialurônico e até em alguns casos, cirurgias. 

A imagem abaixo apresenta uma artroscopia de uma cartilagem normal e de uma desgastada. Percebe-se a diferença da textura e cor.

artroscopia de cartilagem normal e de uma desgastada

A indicação do tratamento depende de uma avaliação individual do paciente, nível de atividade, idade e tipo de lesão. 

Como identificar a Hoffite?

A Hoffite é a inflamação da gordura de Hoffa, localizada dentro do joelho, entre a patela, tendão patelar, retináculo e o fêmur. Geralmente ela acontece por uma sobrecarga e aumento da pressão entre essas estruturas, com atrito maior nessa gordura. 

Assim como a condropatia, essa causa apresenta dores na frente ou na lateral do joelho e, muitas vezes, esses dois problemas estão juntos. No laudo da ressonância, a condição é chamada de edema do coxim adiposo superolateral do joelho.

hoffite

Os sintomas dos pacientes com Hoffite podem confundir com os sintomas de condromalácia, mas geralmente a dor não é muito atrás da patela, mas envolta dela, para fora e um pouco mais para baixo. Semelhante com a plica sinovial, mas do outro lado. 

Quando a Hoffite está muito inflamada, o paciente pode apresentar sensação de rangido e até fazer barulho audível. Para confirmar a condição é preciso fazer uma ressonância.

localização da dor da hoffite

Tratamento para a Hoffite

Raramente é preciso de cirurgia para o tratamento da Hoffite, apenas se o tamanho da gordura de Hoffa estiver maior, fora do proporcional.  

Caso contrário, o tratamento da Hoffite é feito com:

  • Fisioterapia,
  • Medicações para dor,
  • Correção biomecânica através de exercícios e alongamentos,
  • Correção dos movimentos das atividades físicas;
  • Eventualmente, infiltrações ou tratamento com ondas de choque ­também pode ser uma opção.

O tratamento com ondas de choque é uma terapia moderna que estimula a melhora dos processos dolorosos crônicos. No meu canal do YouTube, eu explico mais detalhadamente sobre como funciona esse tratamento, clique aqui e confira.

Ressonância com diagnóstico sem alterações e com inflamação, respectivamente.

Portanto, ter um bom diagnóstico e tratar a causa do problema é indispensável para evitar o surgimento dessas condições. Sendo assim, atletas ou pessoas que praticam exercícios físicos com mais frequência devem buscar um ortopedista ao notar qualquer sinal no joelho.

Síndrome do Corredor ou Síndrome do Trato Iliotibial

Com a dor muito parecida com a da Hoffite, a Síndrome do Corredor costuma acontecer como um atrito entre o fêmur e uma fáscia, chamada trato iliotibial, localizada na lateral da coxa. 

Assim, a dor apresenta-se na bacia e desce até a tíbia (osso da perna inferior), podendo causar atrito contra o fêmur. O atrito pode ocorrer tanto na parte superior da coxa, na região conhecida como trocânter, ou mais para baixo em região próxima ao joelho. 

síndrome do corredor ou síndrome do trato iliotibial

O paciente pode apresentar dores em toda a lateral da coxa com essa condição, ou apenas localizado nesses dois pontos representados na imagem acima. 

Como essa dor é bem específica nessa região, é facilmente diagnosticado com o exame físico, pois a dor está presente no ponto do joelho, chamado de epicôndilo lateral.  

O que causa a dor da Hoffite?

Tanto a Síndrome do Corredor como a Hofitte geralmente estão relacionadas à sobrecargas, falta de alongamento e fortalecimento muscular específico, são dores inflamatórias, não degenerativa, nem mesmo por traumas. 

Com tratamento específico é possível obter melhora, sendo desnecessário a intervenção cirúrgica. Mas, caso o paciente não apresente melhora com fisioterapia, pode ser recomendado a infiltração, ou, uma opção mais viável é o tratamento com ondas de choque.

Leia também:

Tipos de remédios usados para dor aguda

Dores crônicas: Principais medicamentos para o controle da dor

Condropatia: O que é e como tratar da forma correta

Como ocorre a Tendinite do bíceps femoral?

A tendinite do bíceps femoral é uma condição mais comuns em atletas ou pessoas que fazem esportes. Para entender como funciona a dor, é preciso esclarecer que a anatomia humana não conta apenas com o bíceps no braço (braquial), mas com um bíceps na coxa também, chamado de femoral. 

O bíceps femoral é o músculo que vem por trás da coxa desde a bacia até a fíbula. Ele é muito importante para dobrar o joelho e estender o quadril, assim como os glúteos. 

tendinite do bíceps femoral

É comum pacientes que se machucaram nos esportes, como futebol e corrida, sentirem uma dor mais atrás da coxa, mas raramente o paciente apresenta uma tendinite por esforços repetitivos, encurtamento e falta de fortalecimento muscular. 

Quando o paciente é diagnosticado com essa tendinite, apresentam-se dores na cabeça da fíbula, na região do joelho. Essa dor pode ser semelhante à do ligamento, mas geralmente a lesão do ligamento tem associação com alguma torção ou trauma. 

local de dor na cabeça da fíbula
Cabeça da fíbula (indicada pela seta verde)

Assim, como na maioria das tendinites, os tratamentos não costumam ser cirúrgicos, exceto em casos isolados. Na grande maioria das vezes, o tratamento é similar ao da Síndrome do Corredor e Hoffite, mas com alongamentos, fortalecimentos e as outras terapias. 

É importante ressaltar que para um tratamento adequado, é necessária uma avaliação com um especialista antes, para obter o melhor diagnóstico. Caso você tenha alguma urgência, não hesite em marcar uma consulta comigo.

O que é a artrose e seus principais sintomas?

A artrose ou osteoartrite é o desgaste da articulação, em que se pode incluir a própria cartilagem, os meniscos, os ligamentos, o osso abaixo dela e os tendões, tecido sinovial e bursas, que podem inflamar. 

A artrose é uma das principais causas de dores no joelho, principalmente em pacientes com mais de 50 anos. A dor apresenta-se em qualquer um dos lados do joelho, ou até mesmo pelo joelho completo. 

Além da história do paciente e idade, é difícil diferenciar a artrose de outras doenças ortopédicas que também causam dor na lateral do joelho. Portanto, o tratamento para a artrose não pode ser generalizado, já que cada paciente apresenta um sintoma diferente.

Como diagnosticar e tratar a artrose?

Nesses casos de artrose, o exame físico é fundamental para saber o melhor tratamento. Normalmente, o paciente costuma apresentar dores mais fortes no começo do movimento e vai melhorando conforme caminha. Porém, essa condição pode ser alterada se o paciente apresentar mais sintomas mecânicos do atrito entre os ossos, ou mais sintomas de inflamação pelo desgaste. 

A dor da artrose piora progressivamente ao longo dos anos, em alguns casos o paciente pode apresentar melhora, já em outros momentos a dor pode evoluir. 

O diagnóstico da artrose é feito com um simples raio X em pé, onde percebe-se o desgaste da articulação. Em muitos casos é possível evitar a ressonância para fechar o diagnóstico. 

artrose no joelho

Contudo, muitas vezes é importante realizar a ressonância para que não fique nenhuma dúvida na conduta para o melhor tratamento ou que seja suspeita de outra lesão como uma fratura subcondral ou uma osteonecrose.

Se você deseja saber mais sobre artrose, como ela se manifesta e os melhores tratamentos, acompanhe o meu canal no YouTube. Lá, eu preparei uma playlist com todas as informações que você deve saber sobre a condição.

Como se apresenta a Fratura Subcondral?

Muitos pacientes me perguntam se é possível o osso doer, e sim, é totalmente possível. Geralmente, a dor ocorre quando o paciente apresenta condropatia, já que o osso tem muita inervação, podendo doer bastante.

Quando o paciente apresenta uma sobrecarga na parte lateral do joelho e essa sobrecarga é maior que a resistência do osso, ela pode levar a uma fratura. Assim, pode ser chamada de fratura por insuficiência, como um amassado no osso, mas pode doer igual a uma fratura de acidente, como os representados em filmes. 

Essa fratura geralmente acontece no osso abaixo da cartilagem e por isso chama subcondral, que significa abaixo da cartilagem. 

A imagem abaixo é de uma ressonância que apresenta todo o edema ósseo:

ressonância da fratura subcondral

A fratura costuma inicialmente causar dores agudas mais fortes, começando levemente antes de o osso fraturar. A dor é maior quando pisa no chão e aumenta conforme o paciente caminha. 

Quem são os mais acometidos e como tratar a dor da fratura subcondral?

Pacientes que praticam esportes com alta intensidade e impacto podem apresentar a dor. Porém, ela é mais comum em mulheres na faixa dos 50 a 60 anos, acima do peso, com sintomas de artrose, osteopenia ou osteoporose. 

Depois da retirada do menisco através de cirurgia, alguns pacientes têm uma chance maior de desenvolver essa condição, já que o menisco serve como um coxim, diminuindo o atrito, aumentando a superfície de contato, absorvendo impactos para cartilagem e para o osso abaixo dela. 

A dor da fratura subcondral, quando se apresenta na parte de fora do joelho, é mais frequente em pacientes com joelho valgo, isto é, com o joelho voltado para dentro, formando um X.

Quando o paciente apresenta uma fratura desse tipo, a primeira indicação é retirar a carga desse joelho usando muletas ou bengalas, evitar caminhadas e outros esforços com impacto. 

Geralmente, o próprio corpo se regenera apresentando melhora, mas isso pode demorar semanas. Existem alguns tratamentos para acelerar o processo, a cirurgia só é necessária em casos isolados. 

Como diagnosticar a Osteonecrose?

Eventualmente, o paciente pode apresentar um problema na circulação sanguínea no osso, o que pode levar a um infarto ósseo e à morte de parte deste, condição conhecida como osteonecrose.

A osteonecrose pode ser primária, quando não têm uma causa tão bem definida, ou secundária, quando tem uma causa definida, como o uso excessivo de álcool, corticóides, outros remédios e doenças. 

A dor da osteonecrose pode acontecer em qualquer lugar do osso. O diagnóstico depende muito da história do paciente e de um exame de imagem, assim como na fratura subcondral. 

É possível perceber alterações no raio X, mas geralmente demora. Para fazer um diagnóstico mais precoce, a ressonância é o exame ideal. Confira o exemplo abaixo:

osteonecrose

A dor da osteonecrose pode aparecer durante o repouso, piorando à noite e causando dores ao pisar no chão, dependendo da região afetada do osso. 

Como a osteonecrose é tratada?

Além do repouso, tirar a carga desta perna com muletas e tratar o que levou à necrose é ideal. Neste caso, pode ser usado o tratamento de ondas de choque focal, para estimular a revascularização do osso e aumento da sua resistência. 

Em alguns casos, indica-se a cirurgia que vai desde a descompressão com trefinas que furam o osso, até à necessidade de prótese de joelho, quando a articulação já está deformada. 

Outras condições que podem causar dor na parte de fora do joelho

As fraturas por traumas de maior energia, infecções tipo a osteomielite e a pioartrite, tumores e doenças reumáticas também podem causar dores na parte de fora do joelho. Essas lesões são isoladas e geralmente causam mais dores difusas pela articulação.

Muitas vezes, o paciente tem outros fatores indicativos, como antecedente de câncer em outra região, outros sintomas sistêmicos, como fraqueza, mal-estar, febre, e dor em outras articulações. 

A avaliação correta é fundamental para o diagnóstico e tratamento adequado. Portanto, na dúvida, procure um médico especialista, ou seja, um ortopedista


Se você quer ficar por dentro a respeito do tratamento de mais condições ortopédicas, acompanhe o meu canal no YouTube e minhas publicações no blog do meu site.

Sou o Dr. Oliver, médico ortopedista especialista em cirurgia de joelho. Caso você apresente alguma dessas condições ou sintomas apresentados neste artigo, não hesite em pedir ajuda médica!