Dor no cotovelo: O que pode ser e principais tratamentos

Sabe aquela dor chata no cotovelo que aparece de surpresa quando você vai abrir uma garrafa, carregar uma sacola, fazer musculação ou ainda, jogar uma partida de tênis com os amigos? Pois é, ela tem nome e sobrenome: tendinite e epicondilite!

Neste artigo, baseado em meu vídeo do YouTube, eu explico sobre as principais causas de dor no cotovelo e como tratá-las corretamente.

Antes de entender como cada lesão é caracterizada e como diferenciá-las, é preciso saber sobre alguns conceitos básicos que podem ajudá-lo a compreender. O primeiro deles é a tendinopatia.

O que é uma tendinopatia?

Tendinopatia é o nome médico usado para diagnóstico de pacientes com uma doença no tendão. 

A tendinopatia pode ser aguda, conhecida como tendinite e apresenta características inflamatórias. Quando a tendinopatia é crônica, se chama tendinose e apresenta características de degeneração, ou seja, desgaste. 

Para saber mais sobre tendinopatias, leia também este artigo.

Como diferenciar a tendinite da tendinose?  

A inflamação não é totalmente maléfica para o corpo, é necessária para estimular a cicatrização. Dessa forma algumas células tiram o tecido velho, degenerado e machucado e outras estimulam a formação de tecido novo sadio. 

Se não tratada corretamente e essa inflamação continuar, as células que retiram o tecido velho começam a destruir o tecido bom e esse processo contínuo leva ao enfraquecimento e degeneração do tendão, causando tendinose. 

O tendão degenerado se torna fraco e dolorido e pode até romper, essa inflamação aguda inicial recupera-se, mas a degeneração continua causando dor. 

Dessa forma, se o paciente apresenta o quadro de tendinite crônica, ou seja, apresenta a degeneração do tendão, não é indicado anti-inflamatório diretamente, esse tratamento não vai resolver o problema e pode ocasionar outros sintomas, incluindo problemas nos rins.

Saiba mais sobre medicamentos indicados para dores crônicas

E como ocorre os casos assintomáticos ou com dores leves?

O paciente que faz movimentos contínuos errados, repetitivos, por longos períodos, mas apresenta dores leves, ou nenhum sintoma, a degeneração e enfraquecimento podem estar adormecidos.

Nesses casos, o sintoma piora aos poucos o tecido do tendão ou da fáscia, até que provavelmente o paciente começa a sentir os sintomas de dor aguda, isso pode acontecer com o rompimento de algumas fibras e ocasiona a inflamação. 

dor no tendão do cotovelo

Quais são as principais causas das dores no cotovelo?

Caracterizam-se as principais causas de dor nos cotovelos por serem, em sua maioria, tendinopatias. No entanto, ainda existem outros problemas que, embora não estejam localizados no cotovelo, podem causar dor nessa região.

As principais tendinites são:

Tendinite ou tendinopatia tricipital

Mais conhecida como tendinite do tríceps, a dor da tendinite ou tendinopatia tricipital se apresenta na ponta do olecrano, o ossinho na parte de trás do cotovelo. 

olecrano no cotovelo
Imagem indicando o olecrano
  • O músculo tríceps e o seu tendão;  
músculo tríceps e tendão acima do cotovelo
  • A região do osso onde apresenta a dor;

região do osso onde apresenta dor

Nos casos de tendinite tricipital, o paciente apresenta dores ao fazer força para esticar o cotovelo. Como utiliza-se mais o cotovelo para fazer força de flexão para carregar as coisas, a tendinite apresenta-se com menos frequência. 

Geralmente acontece em pacientes que treinam bastante levantamento de peso e esportes de arremesso ou que utilizam muletas para locomoção. 

Tendinopatia Biciptal ou Tendinite do Bíceps Braquial

Outra causa comum de dor no cotovelo é a tendinopatia biciptal, também conhecida como tendinite do bíceps braquial. 

Esses casos se apresentam com maior frequência em pacientes com o hábito de carregar pesos na academia, ou em outros esportes. Recorrentes em pacientes que fazem trabalho pesado como na construção civil ou transporte de carga. 

O tendão pode romper-se com mais frequência, sendo assim, é necessário cuidar. Portanto, seria preciso intervenção cirúrgica.


Quando o tendão se rompe no cotovelo, ele pode subir e formar uma protuberância mais acima. O diagnóstico é indispensável para evitar esses casos.

Como são os sintomas da tendinite do bíceps no cotovelo? 

O paciente pode apresentar dores na parte da frente do cotovelo, em dois pontos, um ponto mais para cima e para meio, podendo ser apalpado no tendão, e um pouco mais abaixo e para lateral no começo do antebraço, onde o tendão se insere no rádio. 

local da tendinite no bíceps do cotovelo

Epicondilite Medial   

As epicondilites são as causas mais comuns de dores no cotovelo. A epicondilite medialé a tendinopatia que afeta os tendões flexores do antebraço e punho na região do epicôndilo medial.

Na ilustração abaixo, é possível visualizar a ponta do osso na parte de dentro do cotovelo. 

epicondilite medial

Sendo assim, a epicondilite medial é uma tendinite que pega essa ponta do osso. Os tendões que estão machucados são os fazem flexão do punho e dedos frequentemente. 

Essa tendinite é mais comum entre suas semelhantes. Contudo, esta tendinite é menos frequente do que a lateral, mas mais difícil de resolver, já que a região é bastante utilizada.

Essa tendinite também é conhecida como o cotovelo de golfista, pois se trata de uma tendinite comum em quem joga golfe. 

Epicondilite lateral

A epicondilite lateral é semelhante a medial, mas a dor nesse caso se apresenta na ponta do osso na parte de fora do cotovelo, os tendões que estão machucados são os extensores do antebraço e punho. Esses tendões têm a função de flexão do cotovelo. 

dor no cotovelo da epicondilite lateral

Para identificar a diferença entre as duas: 

ligamento do cotovelo que está o epicôndilo medial e o lateral
A seta amarela representa o epicôndilo medial e a verde representa o lateral

Tratamento para as tendinites

Quando é uma tendinite mais aguda, causada pelo esforço repetitivo, indica-se 5 dias de anti-inflamatório, gelo e repouso para o tratamento.

Porém, se os sintomas são crônicos, principalmente com mais de 2 ou 3 meses, o tratamento apenas com medicamentos e repouso pode não ser suficiente, pois o tendão apresenta um pouco de degeneração. Nesse caso é necessário tratar com outras medidas para estimular a regeneração e fortalecimento do tecido, algumas delas são: 

  • Ajustar a ergonomia do trabalho;
  • Correção mecânica dos esportes;
  • Alongamento e fortalecimento da forma correta dos tendões e dos músculos agonistas – que executam o movimento e estão machucados – e dos músculos antagonistas – que são contrários ao movimento;
  • Exercícios focados: Recomenda-se que sejam realizados durante a fase negativa, pois o exercício excêntrico estimula o tecido conjuntivo, como o do tendão, além de promover a reorientação das fibras de colágeno do tendão, melhorando sua resistência. 

Lembre-se: Os exercícios precisam ser executados de forma lenta e com peso leve. Conforme vai diminuindo a dor, a carga pode ser aumentada gradativamente. As atividades não devem conter a mesma intensidade, portanto, recomenda-se ir aos poucos.

Caso você tenha interesse em saber quais exercícios que podem ajudar na recuperação das tendinites, acompanhe o meu canal no YouTube. Lá, eu abordo mais profundamente sobre essas indicações específicas.

  • Medidas analgésicas: Algumas terapias podem ajudar o paciente a conseguir realizar exercícios e sentir o mínimo de dor possível, como a estimulação elétrica transcutânea, ultrassom, laser, e outras terapias feitas por um fisioterapeuta.

A acupuntura, o agulhamento seco e a liberação miofascial são terapias que podem auxiliar na recuperação do paciente, assim como a faixa para epicondilite para diminuir a tensão nos tendões e aliviar a sobrecarga durante o esforço.

As terapias com ondas de choque podem ser úteis para as tendinites?

Sim!

Atualmente, a terapia com ondas de choque é o tratamento mais indicado e com maior evidência científica para estimular a regeneração e cicatrização dos tecidos afetados pela tendinite.

O tratamento consiste em uma aplicação de onda acústica mecânica por um médico especialista, geralmente feito por um ortopedista – e se diferenciando das práticas fisioterapêuticas.

Leia também:             

Vale ressaltar que tanto a fisioterapia, quanto a terapia de ondas de choque são tratamentos complementares. Em um tratamento, a primeira é responsável pelo reequilíbrio muscular, enquanto a segunda estimula a recuperação do tecido.

É necessário fazer cirurgia para tratar a epicondilites e tendinopatias?

Recomenda-se a cirurgia para epicondilites e tendinopatias com menos frequência, em casos que existam a necessidade, quando por exemplo rompe o tendão do bíceps ou tríceps. 

Contudo, indica-se essa resolução em último caso. Se o paciente não apresenta melhora, o recurso mais indicado é o tratamento com ondas de choque


Neste artigo, eu espero ter esclarecido a maioria das dúvidas dos meus pacientes sobre os caminhos que devem ser seguidos para tratar a dor no cotovelo. Não esqueça de acompanhar meu blog e canal no YouTube para mais conteúdos sobre esses e outros conteúdos ortopédicos.

Sou o Dr. Oliver Ulson, médico ortopedista especialista no tratamento com ondas de choque. Caso você apresente dores causadas por algumas das condições citadas neste artigo e gostaria de um tratamento eficaz, agende uma consulta para que possamos avaliar a melhor opção para você!

AGENDAR UMA CONSULTA COM O DR. OLIVER ULSON