Entenda mais sobre o que a ansiedade faz com seu corpo

Se você não consegue dormir direito, emagrecer, não consegue guardar dinheiro, concentrar naquilo que está fazendo, vive cansado, com dor pelo corpo e muitas outras coisas que gostaria de mudar a sua vida e não consegue. A causa de tudo isso pode ser a ansiedade!

Neste artigo, eu explico mais sobre os efeitos da ansiedade na sua vida, como ela prejudica todos os aspectos dela, inclusive a sua saúde física, e como você pode lidar com ela. Continue lendo!



Em meu consultório, recebo muitos pacientes com dor crônica e percebo como a ansiedade tem um impacto direito na dor deles. Além disso, percebo uma relação entre o tratamento da ansiedade com a melhora da dor.

Eu mesmo já passei por um período de muita ansiedade há algum tempo, com mais de um episódio de burnout e por isso, eu estudei o assunto por meu interesse e tentei muita coisa até conseguir tratar. Ademais, meu pai é um psiquiatra e psicanalista fenomenal, muito respeitado aqui no Brasil e eu converso e aprendo muito com ele.

Aliás, depois que eu comecei a entender um pouco mais da parte emocional dos meus pacientes o meu atendimento melhorou muito.


Saiba os efeitos da ansiedade no corpo  - Dr. Oliver Ulson

Quais os efeitos da ansiedade no corpo humano? 

A ansiedade leva a mudanças no nosso comportamento. Um paciente com ansiedade pode ter algum distúrbio alimentar, que causa ou perda ou aumento do apetite, por exemplo. 

Então, um paciente ansioso pode desenvolver obesidade devido a essa compulsão e apelar por medicamentos para emagrecer, sem tratar a raiz do problema: a ansiedade. 

O que ocorre se um paciente trata a obesidade sem tratar a ansiedade? 

Caso um paciente trate somente da obesidade, seja por meio de medicamentos ou de cirurgia bariátrica, mas não trata o comportamento compulsivo motivado pela ansiedade, é possível que ele acabe engordando tudo novamente mesmo após a cirurgia e o uso de medicamentos. 

Qual outro comportamento pode indicar que uma pessoa está ansiosa? 

Um outro comportamento compulsório que pode ser sinal de ansiedade é a compulsão por compras. Isso porque uma pessoa ansiosa pode gastar mais do que deveria, já que a compra gera uma sensação de bem-estar na pessoa, aliviando um pouco o sintoma da ansiedade, mas depois vem o peso na consciência de ter gastado o dinheiro, o que piora a ansiedade.


A ansiedade pode causar compulsão por compras - Dr. Oliver Ulson

Mas como a ansiedade se comporta no corpo? 

Cientificamente falando, a ansiedade aumenta os níveis de cortisol, adrenalina e noradrenalina no corpo. Em decorrência disso, ela aumenta a pressão arterial, a frequência cardíaca e respiratória. Ou seja, tornando-se um fator de risco para doenças cardiovasculares.

Por isso é que uma pessoa estressada tem maiores chances de infartar ou de sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC), do que outras. 

Ansiedade e o sono

Um outro fator é que estes hormônios tiram também o sono da pessoa ansiosa, portanto, além das preocupações que afetam o sono dos ansiosos, estas alterações também o deixam mais superficial.

Com isso, a pessoa acorda cansada e tem sensação de esgotamento durante o dia, diminuindo a produtividade e concentração, piorando o ciclo da ansiedade.

Impactos da ansiedade na vida social

A ansiedade também leva à pessoa a evitar situações que pioram os sintomas, mas que são importantes para nossa vida pessoal, como festas, eventos sociais. Assim, o paciente ansioso costuma ficar mais retraído, atrapalhando sua vida profissional e pessoal.

Ainda nessa linha de raciocínio, a pessoa muito ansiosa pode não perceber, mas também passa essa ansiedade para os outros. Isso pode acarretar o distanciamento de pessoas do seu convívio. 

A ansiedade influencia no abuso de substâncias?

Sim! Parece óbvio falar, mas é comum nas pessoas com ansiedade usar outros meios para aliviar ela, como o abuso do cigarro, álcool e outras drogas, que geram consequências no corpo que todo mundo já sabe. 

Como a ansiedade impacta na vida sexual do paciente?

A ansiedade atrapalha muito a libido, inclusive a principal causa de impotência em homens com menos de 40 anos não é orgânica, é emocional e psicológica na maioria das vezes. Portanto, a ansiedade tem uma relação direta com a vida sexual do paciente.


A disfunção erétil pode estar relacionada a ansiedade - Dr. Oliver Ulson

Mas afinal, o que a ansiedade tem a ver com a dor? 

Hoje, faz parte da minha rotina em consultório perguntar sobre a parte emocional do meu paciente. Isso porque tanto a ansiedade quanto a depressão têm uma relação direta na nossa percepção da dor, já que, nesses problemas, ocorre uma desregulação de neurotransmissores no cérebro, que controlam a nossa percepção das sensações, incluindo a dor.

Ou seja, a ansiedade interfere na nossa percepção de sensações diminuindo muito o limiar dela, assim, a pessoa ansiosa sente uma dor muito mais intensa do que deveria. Por isso, hoje se usam remédios para a ansiedade e depressão para tratar a dor crônica, já que existe uma explicação biológica para isso.

Imunidade do paciente

A ansiedade pode piorar a imunidade do paciente, levando-o também ao aumento das contraturas e tensões musculares, piorando muito sintomas da fibromialgia e dores relacionadas a postura errada e movimentos repetitivos no trabalho.

Além disso, a doença está ligada diretamente a comportamentos que fazem mal pro nosso corpo, incluindo alimentação ruim, o sobrepeso, os vícios como o álcool e cigarro e a falta de motivação para fazer exercícios, aumentam a inflamação pelo corpo e liberação de radicais livres, o que também piora a dor e acelera o envelhecimento das células.

Como tratar a ansiedade adequadamente?

O primeiro passo é ter consciência do problema e da gravidade dele. Em um relato pessoal, eu identifiquei as redes sociais como um dos problemas que me gerava ansiedade, isso porque perdia tempo acompanhando a vida das outras pessoas ou sendo despertado a consumir produtos que não eram necessários. Então, em meu processo de cura, eu eliminei-as da minha vida – também sendo possível diminuir o uso consideravelmente, a depender de cada caso. 

Um outro passo importante é reconhecer a importância de praticar atividades físicas. A atividade física libera naturalmente muitas substâncias analgésicas, anti-inflamatórias e que dão sensação de bem-estar, diminuindo muito o estresse e a ansiedade.

Além disso, mudar o ambiente ao seu redor, as pessoas que convivem com você que possam ser tóxicas também é uma estratégia que pode ser adotada na busca pela cura da ansiedade. 

Mas e os remédios?

Os remédios também podem ser úteis, mas neste artigo estou procurando instruir a outras formas de tratamento que podem ajudar alguns pacientes. 

Para o caso de dores musculares, um dos medicamentos úteis é a ciclobenzaprina. Este medicamento ajuda o paciente a relaxar para dormir, relaxa o músculo com contratura e na fibromialgia. Além disso, ele não vicia.

Meditação e livro sobre atenção plena

A meditação é uma estratégia que pode ser usada para melhorar o foco e garantir a atenção plena. Ela é uma técnica milenar que é usada em várias culturas diferentes e muito usada por pessoas que trabalham em níveis altos de estresse e cobrança. 


Meditação é uma técnica que pode ajudar na ansiedade. - Dr. Oliver Ulson

Neste contexto, eu indico o livro Atenção Plena (Mindfulnesss). Esse livro dá um passo-a-passo com lições semanais para que o leitor consiga ir trabalhando naturalmente nessa progressão. Esta técnica pode tanto ajudar a diminuir a ansiedade, quanto a aumentar o foco. 

Em conclusão, nós não podemos esquecer de ter coragem e enfrentar de frente os problemas pessoais que estão aumentando nossa ansiedade. Por isso, é muito bom ter alguém para ajudar a entender sua vida com uma visão de fora e, aí, entram os terapeutas.


No meu canal no YouTube, eu disponibilizo uma playlist de conteúdos sobre o tratamento das dores crônicas. Se você quiser saber mais, clique aqui e acompanhe meus vídeos. 

É importante frisar que, mesmo no tratamento de dores crônicas, é indispensável que o paciente com ansiedade ou depressão seja acompanhado por um psiquiatra e um psicoterapeuta. Um bom acompanhamento é indispensável para a melhora destas condições. 

Caso você sofra com dores crônicas e problemas ortopédicos resultantes destas condições, agende uma consulta e vamos avaliar melhor o seu caso individualmente!