Própolis: Benefícios Comprovados pela Ciência

A primeira vez que lembro de usar a própolis foi para dor de garganta. Era em spray e acho que tinha uns 5 anos de idade, ou seja, foi há mais de 30 anos atrás.

A crença e o interesse nos efeitos da própolis, não são uma coisa só do brasileiro. Nos últimos 30 a 40 anos, muitos estudos sobre ela foram publicados em vários países do mundo!

E hoje, nesse artigo adaptado de um vídeo publicado no meu canal do YouTube, eu venho falar dos efeitos dela, que já tem estudos científicos, mas de uma forma clara, simples e objetiva. Aprenda o que é a própolis, para que serve, quais benefícios, como usar, quais os riscos, efeitos colaterais e quem não deve usar.

Agora vamos lá?

Antes de começar, esse é o primeiro artigo de uma série que vou publicar falando sobre remédios naturais, tentando desmistificar entre o que é crença popular e o que a ciência já comprovou.

Primeira coisa, eu quero deixar claro que não tomo partido nessa briga de remédios naturais e de farmácia, eu uso os dois no tratamento dos meus pacientes. A gente não pode deixar de lembrar que a morfina, a aspirina e tantos outros remédios foram primeiro extraídos de plantas.

O que é a própolis?

A própolis é uma resina produzida pelas abelhas, para a construção, vedação das colmeias e proteção contra microrganismos. A palavra vem do grego, que significa “defesa da comunidade”.

Quem gosta de mel sabe que mel não é tudo igual, você tem mel de abelhas diferentes, plantas diferentes e diferenças regionais! E com a própolis é a mesma coisa, por isso ela pode ter propriedades medicinais diferentes.

Desde a antiguidade, a própolis tem sido usada como um remédio natural devido às suas propriedades anti-inflamatórias, antivirais, antibacterianas e antioxidantes.

Ela é frequentemente usada para tratar problemas de saúde como inflamações na boca, problemas respiratórios, problemas de pele e feridas.

Para vocês terem uma ideia de quão antigo é o uso, os egípcios usavam a própolis para conservar as múmias e os médicos gregos e romanos usavam desde a época de Aristóteles! Depois, no século passado foi amplamente usada pelos países soviéticos e o Japão foi o principal importador de própolis do mundo.

E olha que coisa interessante, a preferência deles, era a própolis brasileira!

O primeiro trabalho publicado sobre a própolis foi de 1908 e, desde então, centenas de publicações e patentes já foram feitas.

A própolis não é uma única substância, na verdade é uma mistura complexa de resinas e bálsamos de várias partes das plantas, que são ingeridas pelas abelhas e depois secretadas por elas, na forma como conhecemos.

Na própolis encontramos resinas, bálsamos, ceras, óleos essenciais, grãos de pólen e várias vitaminas e sais minerais.

Entre essas substâncias, as que chamam mais atenção ao estudo são os flavonoides e ácidos fenólicos.

Como comentado anteriormente, a própolis produzida aqui no Brasil, principalmente nos estados de São Paulo e Minas Gerais, tem uma qualidade superior às produzidas na Europa, América do Norte e Ásia.

Comercialmente, a própolis é geralmente encontrada na forma de extratos líquidos, cápsulas, comprimidos e pomadas. Ela pode ser usada topicamente na pele ou ingerida.

Quais os benefícios da própolis?

Estudos sugerem que a própolis tem efeito anti-inflamatório, principalmente pelos flavonoides. Os flavonoides são aquelas substâncias que fazem bem que tem no vinho.

Então aqui vai o primeiro uso da própolis: Ela pode ser útil para tratar condições como artrite, asma, dor de garganta, problemas de pele, entre outras doenças.

A própolis possui também propriedades antimicrobianas, o que pode ajudar a combater bactérias e fungos. Isso pode ser útil para tratar infecções na boca e na garganta, feridas e problemas de pele.

O uso contra vírus é menos estudado, porém também tem trabalhos mostrando seu benefício.

Também por conta dos flavonoides e das vitaminas presentes na própolis, ela possui efeitos antioxidantes, que ajudam a proteger as células do corpo contra danos causados pelos radicais livres.

Alguns estudos indicam que a própolis pode ajudar a controlar citocinas inflamatórias, podendo ajudar em quadros inflamatórios e autoimunes.

Além de tudo isso, a própolis tem efeito cicatrizante, sendo bem indicada para feridas na pele e boca. Inclusive é indicada também para prevenção de doenças na boca, como cáries e gengivites.

Então, você sabe agora as indicações da própolis, e antes de explicar como usar, eu vou falar um pouco de quem pode e não pode usá-la, e algumas dúvidas comuns como se ela engorda ou emagrece.

Cuidados no uso da própolis

No geral, a própolis é considerada segura quando usada de forma adequada e seguindo as recomendações de dosagem, mas algumas pessoas podem ter efeitos colaterais dela e, por isso, devem evitá-la.

Entre elas temos:

  • As pessoas que são alérgicas a abelhas ou outros insetos podem ser mais propensas a reações alérgicas ao usar própolis.
  • As mulheres grávidas ou que estão amamentando devem evitar usar própolis, porque não tem estudos suficientes sobre seus efeitos durante essas condições.
  • As pessoas que estão tomando medicamentos devem consultar um médico antes de usar própolis, pois ela pode interagir com alguns medicamentos.
  • Algumas pessoas com problemas de coagulação sanguínea devem evitar usar própolis, pois ela pode interferir a coagulação sanguínea.

Quais são os possíveis efeitos colaterais da própolis?

O primeiro deles é a alergia. Algumas pessoas podem ter reações como coceira, vermelhidão, inchaço e dificuldade para respirar.

Outras pessoas podem desenvolver problemas digestivos, como náusea, diarreia e dor abdominal, ao usar própolis.

Outra coisa importante para lembrar é que dependendo de como é coletada e processada, a própolis pode conter impurezas, como bactérias ou metais pesados. Por isso, é fundamental escolher produtos de fontes confiáveis.

É importante notar que estes efeitos colaterais são raros e geralmente ocorrem quando a própolis é usada em doses elevadas ou por períodos muito longos.

Antes de continuar o artigo, se esse tipo de conteúdo é útil para você, gostaria de convidar para se inscrever no meu canal do YouTube, ou compartilhar com outras pessoas que possam se interessar pelo assunto. Certo?!

A própolis engorda ou emagrece?

A própolis não é um produto que tem efeitos diretos no ganho ou perda de peso, ela não muda o metabolismo e, na dose indicada, tem muito poucas calorias.

Ela ajuda na saúde de uma forma geral, mas é importante lembrar que para perder peso, é necessário manter uma dieta equilibrada e praticar atividade física regularmente, além de seguir as recomendações de um profissional de saúde.

Outra coisa importante de dizer é que quando for comprar própolis, é importante procurar por produtos de fontes confiáveis e que seguem boas práticas de fabricação. Aqui vão algumas dicas para ajudar a escolher um produto certo:

  • Verifique a origem, pureza e garantia de qualidade: Procure por produtos que sejam fabricados com própolis de fontes confiáveis e tenham sido testados por laboratórios confiáveis.
  • Verifique o tipo de própolis: Tem vários tipos de própolis, como própolis verde e marrom, cada um com propriedades diferentes.
  • Certifique-se de que a dosagem de própolis no produto seja adequada e segue as recomendações de dosagem.
  • Certifique-se de que o produto tenha instruções claras sobre como usá-lo e quais precauções devem ser tomadas.

Bom, e como usar a própolis?

A dosagem recomendada de própolis varia de acordo com o tipo de produto e a finalidade do uso. Alguns suplementos de própolis contém até 50% de própolis, enquanto outros podem conter menos de 10%.

Como as concentrações e as substâncias são diferentes entre os vários tipos de própolis, a gente não consegue direito fazer um paralelo exato entre os resultados das pesquisas e o tipo de própolis que você está comprando. Por esse motivo, ela acaba sendo considerada como um suplemento, sem dosagem ideal nos tratamentos.

Além disso, a dosagem também pode variar de acordo com a forma do suplemento, como cápsulas, pomadas, loções, entre outros.

Dessa forma, o que acaba acontecendo, é que você tem que confiar na dosagem recomendada que está presente na embalagem do produto, procurando seguir as instruções do fabricante e/ou orientação médica.

Baseado em todo histórico milenar do uso da própolis e pesquisas feitas, é inegável seus efeitos medicinais, porém ainda faltam mais estudos para avaliar essas concentrações ideais para o tratamento das doenças e todos seus efeitos.

Um outro ponto importante é que muitas vezes ela pode ser usada como terapia complementar, mas deve ser evitada como remédio único para o tratamento de doenças, principalmente as mais graves.

Então, o que você achou do conteúdo?

Se você quiser se aprofundar ou checar a fonte, deixo aqui o link de um dos artigos científicos de referência.

Se você gostou convido para se inscrever no meu canal para não perder novos assuntos de saúde. Um grande abraço e até a próxima!