Prótese do joelho: recuperação e pós-operatório

A cirurgia de prótese do joelho, que vem sendo cada vez mais disseminada no Brasil, é considerada altamente segura e eficaz. Inclusive, na recuperação! Ainda assim, é fundamental tomar os devidos cuidados no pós-operatório. Abaixo, vamos entender melhor alguns aspectos e também como proceder após receber alta.

protese de joelho

Tipos de prótese

Mas se o caso for mesmo de cirurgia de prótese do joelho, um passo fundamental é definir o modelo de implante. As opções são rolamento fixo, rolamento móvel, pivô medial, e do Ligamento Cruzado Posterior. Se quiser sabermais sobre acirurgia, veja aqui.

Cada modelo é formado por componentes, que são peças de plástico (polietileno) e metal (confeccionadas a partir de titânio ou cobalto) usadas para substituir as superfícies ósseas do fêmur, da tíbia e da patela – juntas, elas podem pesar entre 300 e 400 gramas. São estes componentes os responsáveis por gerar movimentos deslizantes suaves e pouco desgastantes.

Como é feita a cirurgia?

Passada a avaliação, é hora da cirurgia de prótese do joelho propriamente dita, um processo que é realizado em etapas, podendo levar de uma a duas horas.

Para começar, o cirurgião ortopedista realiza a preparação do osso, que consiste na retirada das superfícies de cartilagem lesionadas nas extremidades do fêmur e da tíbia. Além disto, ele extrai também uma pequena porção do osso localizada abaixo destas superfícies.

Feita a preparação, é a vez da fixação (feita por cimentação ou pressão) dos componentes metálicos que substituirão a superfície retirada.

Depois, vem a cobertura da patela, procedimento no qual o profissional corta a superfície interna do osso rotuliano e introduz um disco plástico – vale ressaltar que este procedimento não é necessário em alguns casos.

Já a quarta e última etapa é a colocação de um espaçador de plástico entre os componentes metálicos, cuja missão é reproduzir uma superfície de contato de baixo atrito.

cirurgia hospital

Possíveis complicações

Além de eficaz e segura, a cirurgia de prótese do joelho também apresenta uma baixíssima incidência de complicações: menos de 2% dos pacientes.

Entretanto, para se evitar problemas que possam prejudicar o período de recuperação, é bom estar atento junto ao cirurgião ortopedista a possibilidades de infecção, coágulos, persistência da dor e lesão neurovascular, além de problemas com o próprio implante dos componentes.

Recuperação e pós-operatório

A medicação analgésica não pode ser desprezada, pois a dor persistente pode evoluir para quadros crônicos, mesmo quando deu tudo certo na cirurgia. Ela pode impactar na recuperação da fisioterapia, levando a rigidez articular e dificuldade para caminhar.

O gelo também tem efeito anti-inflamatório e analgésico no pós-operatório precoce, sendo uma medida não invasiva e com poucos efeitos colaterais. O gelo deve ser feito por 20 minutos, com intervalos de até 2 horas, ou ao menos 3 a 4 vezes ao dia. Deve-se lembrar de proteger a pele para não a queimar.

A profilaxia de trombose também deve ser realizada, uma vez que os pacientes submetidos à artroplastia do joelho costumam ser mais velhos e é uma cirurgia com risco intrínseco de trombose venosa profunda (TVP) e embolia pulmonar. Assim, a profilaxia é feita com a movimentação precoce do membro, uso de meias elásticas de alta compressão e medicamentos anticoagulantes.

O dreno é utilizado no pós-operatório para diminuir a formação de hematoma, que é um fator de risco para complicações, como infecção, dor e limitação do movimento.

Outro ponto que deve ser observado com cuidado no pós-operatório é a recuperação em si. É importante o paciente contar com um fisioterapeuta para uma orientação especializada sobre exercícios – alguns pacientes já começam a se exercitar menos de 24 horas após a cirurgia.

A mobilidade precoce é fundamental para que formação de fibrose não leve a rigidez articular, sendo a extensão do joelho o movimento mais importante no pós-operatório precoce. Assim, os pacientes devem evitar permanecer com almofadas atrás do joelho, apesar do conforto que dão. Como comentado anteriormente, a mobilidade precoce também previne tromboses nas pernas.

O profissional irá recomendar os exercícios mais adequados para cada caso a fim de se fortalecer os músculos da perna e restaurar os movimentos do joelho. Além disto, o cirurgião também pode indicar o CPM, aparelho de movimento passivo contínuo que ajuda a diminuir o inchaço na região e a melhorar a circulação de sangue.

Outro cuidado importante durante este período é realizar pequenas adaptações na casa. Entre elas, instalar barras de apoio no banheiro; sentar-se em uma poltrona confortável, com assento e encosto estáveis, além de braços e apoio para os pés; utilizar um elevador sanitário com braços; e retirar tapetes e cabos soltos.

É importante ainda concentrar todas as atividades do indivíduo no primeiro andar da residência, para que ele não precise subir escadas. Caso não seja possível, é fundamental colocar corrimãos nas escadas.

Desde o primeiro dia, os pacientes são liberados a caminhar com andadores e carga conforme tolerar e com um mês de cirurgia devem estar andando sem a necessidade de muletas. A fisioterapia é mantida por mais tempo, para recuperação da força muscular e melhora do equilíbrio.

cicatriz cirurgia de joelho

Conclusões

A cirurgia de prótese do joelho é um procedimento que vem sendo bastante propagado entre ortopedistas brasileiros quando o assunto é patologia no joelho. Seu objetivo é corrigir uma anomalia na articulação através da substituição de superfícies articulares por implantes artificiais metálicos.

Entretanto, embora seja considerada segura e eficaz, a cirurgia de prótese do joelho não deve ser a primeira opção de tratamento. Antes, devem ser considerados métodos conservadores, como medicação e fisioterapia.

E também não são todos os pacientes que devem ser operados com este procedimento, que é mais recomendado para homens e mulheres na casa dos 70 e 60 anos, respectivamente – a exceção é para casos mais graves, que apresentem dor limitadora e significativas deformidades.

Se for decidido que se trata de um caso para a cirurgia, o ortopedista deverá fazer uma avaliação do paciente, para decidir, inclusive, o modelo de prótese mais adequado.

Passada esta análise, o cirurgião ortopedista deverá encaminhar o paciente para a sala de cirurgia, onde será realizada a intervenção. Entre uma e duas horas, profissional fará os seguintes procedimentos: preparação do osso, posicionamento dos implantes e inserção de um espaçador.

Há o risco de complicações pós-operatórias, mas a taxa é baixa: menos de 2%.

E para que o período de recuperação seja satisfatório, é importante adotar algumas medidas, como a prática de exercícios fisioterápicos – acompanhado de um profissional – e pequenas adaptações na casa, como instalação de barras no banheiro e realização de todas as atividades no primeiro andar, para que não seja necessário subir escadas.

Espero que tenha lhe ajudado a entender mais sobre as indicações e diferentes tipos de próteses de joelho. Agora, se você tem indicação de realização da mesma, ou gostaria de agendar uma consulta com ortopedista, ficarei feliz em poder ajudar.

Atendo em São Paulo (Higienópolis e Itaim Bibi / Jardins) e Alphaville (Barueri / Santana de Parnaíba). Além disso realizo atendimentos por telemedicina com hora marcada.

Bibliografia (em inglês):

-Pós-cirurgia de joelho

-Cirurgia de Artroplastia

-Artroplastia Total do Joelho