Tratamentos não-cirúrgico da lesão do menisco

Quando colocamos sobre os joelhos o peso do nosso corpo somado a impactos – causados por movimentos como correr, chutar ou aterrissar após um salto – a tendência é que sintamos pouco ou quase nada.

E esta é uma boa notícia, pois significa que está tudo bem com o menisco, um pequeno tecido em formato semicircular, encontrado no centro do joelho, composto por cartilagem fibrosa, que faz o papel de um amortecedor dos joelhos. É exatamente ele que recebe e dissipa as forças que vão de encontro à articulação diariamente, evitando dores locais.

menisco

O menisco é dividido em três partes (anterior, média e posterior) e está localizado entre a extremidade inferior do fêmur (osso da coxa) e a extremidade superior da tíbia (osso popularmente conhecido como canela), entre os côndilos femorais e o planalto tibial. Fixado por ligamentos à tíbia nos cornos anterior e posterior, o menisco é ainda definido em duas classes: lateral e medial.

O menisco medial atua na estabilização entre a tíbia e o fêmur, sendo uma espécie de auxiliar do Ligamento Cruzado Anterior. Já o menisco lateral é vital em movimentos de giro. É ele que atua como um guia nas rotações externa e interna do fêmur sobre a tíbia.

Outras funções do menisco são: distribuição do líquido sinovial para a nutrição da cartilagem do joelho; auxílio ao cérebro na captação do movimento do joelho, o que nos permite uma resposta muscular mais veloz aos estímulos.

Quando há algum problema com o menisco, além da dor, outros sinais são inchaço e limitação de movimentos são sintomas comuns. Para chegar a um diagnóstico, o ortopedista deve solicitar um exame de raio-X ou de ressonância magnética.

A aguda é mais comum em esportes de contato e são geradas por uma força excessiva de rotação do joelho ou quando o fêmur e a tíbia são pressionados um contra o outro. Já a forma mais lenta e progressiva pode surgir sem desencadear sinais, gerando dores de maneira repentina. Geralmente, isto acontece em quadro de lesão degenerativa, ou seja, o envelhecimento do menisco, a partir dos 40 anos.

O menisco é um tecido que possui capacidade de cicatrização variável de acordo com o tipo de lesão, localidade e idade do paciente. As lesões mais na parte externa, longitudinais ou horizontais estáveis apresentam bom potencial de cicatrização, ou de ausência de sintomas, principalmente em pacientes jovens e lesões menores. O tipo de tratamento varia conforme a gravidadeda lesão.

Tratamento não cirúrgico (fisioterapia) do Menisco

Quando o quadro é mais simples, com pequenas rupturas no menisco e ausência de dor de origem mecânica, a tendência é que o ortopedista recomende apenas o uso de medicamentos analgésico e anti-inflamatório, repouso e compressa de gelo. Mas quando a situação é mais complexa, ele pode analisar o caso e escolher o tratamento cirúrgico ou conservador.

A avaliação de cada caso vai passar pelo grau de dor do paciente e pela tolerância à amplitude de movimento. E se a conclusão for a de que o mais indicado é o tratamento conservador, o ortopedista pode recomendar uma série de exercícios de fisioterapia, que inclui:

– Com o auxílio de muleta ou bengala, apoiar cautelosamente o peso corpo sobre a perna lesionada

– Massagem diária na coxa por cerca de cinco minutos;

– Repetições de contração do músculo da coxa com a perna esticada;

– Caminhar dentro da água, em uma piscina, entre cinco e 10 minutos;

– Exercício de equilíbrio: primeiro, equilibrar-se em um só pé sem nada embaixo; em seguida, apoiar o pé da perna lesionada em algo macio, como uma bola levemente esvaziada;

– Exercícios de agachamento, em três séries de 20 repetições, respeitando o limite de dor;

– Exercícios de alongamento para retomada da flexibilidade da perna;

– Bicicleta ergométrica diariamente, por cerca de 15 minutos;

– Em três séries de 60 repetições, deitar de barriga para cima e dobrar e esticar a perna;

– Movimentar o osso patelar – que fica na parte frontal do joelho – de maneira cautelosa, para cima e para baixo e de um lado para o outro;

Outro modelo de exercício que pode ser utilizado é a hidrocinesioterapia, que consiste em atividades realizadas em uma piscina com água morna. Esta opção, no entanto, é mais indicada para quem convive com sobrepeso.

Além dos exercícios, há ainda a possibilidade de tratamento para lesão no menisco com aparelhos de eletroterapia, como TENS (neuroestimulação elétrica transcutânea), ultrassom, laser ou micro correntes. O objetivo é aliviar as dores e acelerar a cicatrização.

Recuperação

O tempo de tratamento para lesão no menisco, até se chegar aos primeiros resultados satisfatórios, vai depender de caso a caso – incluindo o estado de saúde geral do paciente e a regularidade na realização dos exercícios de fisioterapia.

Mas especialistas estimam que, em média, entre três e cinco meses já seja possível notar uma reversão do quadro. Mas para uma recuperação completa, este período pode aumentar para seis meses.

Antes disto, porém, com aproximadamente dois meses de tratamento, o médico pode realizar uma avaliação do caso, a fim de constatar a evolução do quadro, principalmente em relação a persistência de dor e limitação de movimento.

Conclusão

Formado por fibras de colágeno e cartilagem, o menisco é um tecido em formato semicircular localizado entre a extremidade inferior do fêmur (osso da coxa) e a extremidade superior da tíbia (osso popularmente conhecido como canela), entre as regiões conhecidas por côndilos femorais e planalto tibial. Fixado à tíbia nos cornos anterior e posterior por ligamentos, ainda é definido em duas classes: lateral e medial.

O menisco é responsável por diferentes funções, sendo a principal delas a de receber e dissipar os impactos sofridos pelo joelho. Ou seja, uma espécie de amortecedor, que, ao ser demasiadamente exigido, pode sofrer com uma ruptura, que causa dor intensa – o que se explica por se tratar de uma estrutura bastante inervada.

A lesão é mais comum em atletas, mas pode acometer qualquer indivíduo. Já o tratamento, pode ser cirúrgico ou conservador – esta segunda opção, consiste, basicamente, em exercícios de fisioterapia.

Entre as recomendações dos médicos, estão exercícios de agachamento, equilíbrio, flexibilidade e, dependendo do caso, dentro de uma piscina. Se realizado com regularidade e disciplina, o tratamento conservador para lesão no menisco pode gerar resultados em três a cinco meses.

Se ficou com alguma dúvida, gostaria de fazer alguma sugestão, ou alguma colocação, escreva abaixo nos comentários. Agora, se gostaria de agendar uma consulta, ficarei feliz em poder ajudar.

Ficarei feliz em poder lhe ajudar. Agora se necessita de agendar uma consulta, atendo como ortopedista em São Paulo (Itaim Bibi e Higienópolis) e Alphaville (Barueri / Santana de Parnaíba) e por telemedicina.

Referências (em inglês):

-Lesão no menisco e seus tratamentos

-5 tratamentos não-cirurgicos para o lesão no menisco

-Importância de tratar lesões no menisco